Manifestantes pedem o fim do recolhimento forçado de pessoas em situação de rua

BRASÍLIA - Uma manifestação contra o recolhimento forçado de crianças, adolescentes e adultos moradores de rua reuniu hoje (9), na Rodoviária do Plano Piloto, no centro da capital federal, cerca de 40 pessoas. O protesto teve o objetivo de conscientizar gestores públicos e a população sobre a violação dos direitos das pessoas alvos dessas ações.

Agência Brasil,

09 de dezembro de 2011 | 22h13

De acordo com o organizador do ato, Sabino Manda, da organização não governamental (ONG) Centro de Referência, Estudo e Ações sobre Crianças e Adolescentes (Cecria), apesar da capital federal ainda não adotar o recolhimento forçado de moradores de rua, o mesmo não ocorre em outras cidades, onde nas operações de recolhimento, segundo ele, foram constatados casos graves de uso excessivo da força.

Manda disse ainda que a abordagem feita no Distrito Federal tenta convencer o morador de rua, e não forçá-lo a ir para um abrigo ou instituição de tratamento. Para ele, é importante impedir a operação de recolhimento que desrespeite os direitos das pessoas. "Pretendemos deter a forma massiva e indiscriminada da prática de recolhimento forçado com essa manifestação", disse.

Folhetos com propostas para o enfrentamento da situação de moradia de rua foram distribuídos durante a manifestação. O ato faz parte da campanha nacional Criança não é de Rua, voltada para a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes em situação de morador de rua.

Mais conteúdo sobre:
manifestação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.