GABRIELA BILO / ESTADAO
GABRIELA BILO / ESTADAO

Manifestantes queimam pneus sobre ferrovia da Vale em Minas Gerais

Linha de trem transporta minérios da companhia; ato em Governador Valadares é em protesto contra a contaminação do Rio Doce

Marco Antônio Carvalho, Enviado especial

12 Novembro 2015 | 17h43

GOVERNADOR VALADARES (MG) - Manifestantes realizaram um protesto na tarde desta quinta-feira, 12, na ferrovia da Vale em Governador Valadares, a 450 quilômetros de Belo Horizonte. Pneus foram queimados sobre a linha férrea que transporta minérios da companhia, além de também funcionar para viagens diárias de passageiros entre Vitória e Belo Horizonte. 

Os moradores de Governador Valadares protestaram contra a interrupção no fornecimento de água na cidade, que tem 296 mil habitantes. O município suspendeu a captação no Rio Doce após a lama de rejeitos proveniente do rompimento de barragens em Mariana (MG) chegar à região. A estrutura era da mineradora Samarco, que tem a Vale como uma das donas. 

Em cima de pneus e com uma bandeira do Brasil amarrada nas costas, o radialista Ricardo Pedrosa, de 38 anos, empunhava um microfone sem fio e fazia sua voz ecoar pelas proximidades. "As chamas são velas do velório do Rio Doce. Hoje, água aqui virou ouro", disse. 

Pedrosa disse que o movimento convocado pelas redes sociais começou às 14 horas, após a passagem do trem de passageiros. "O que aconteceu foi um crime ambiental. Enquanto não tiver água não vamos deixar o trem passar", disse o radialista. A causa ganhou apoio de moradores vizinhos à linha férrea,  que reforçavam o pedido pela retomada do abastecimento interrompido desde a segunda feira.  

A Vale obteve decisão liminar que obriga a desobstrução da linha férrea. Um oficial de Justiça comunicou a decisão aos manifestantes, que decidiram encerrar o protesto de forma pacífica por volta das 18h30 desta quinta-feira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.