Manifestantes tentam invadir prefeitura de Campinas

Tropa de Choque e cavalaria estão no local para dispersar os cerca de 20 mil manifestantes que tentam invadir o prédio

Ricardo Brant,

20 de junho de 2013 | 21h51

CAMPINAS - A manifestação em Campinas se transformou em confronto no início desta noite em frente ao Paço Municipal. Cerca de 20 mil manifestantes tentam invadir o prédio da prefeitura, que está cercado por guardas municipais, que montaram um cordão de isolamento no entorno do Palácio dos Jequitibás. A Tropa de Choque está se posicionando nas ruas de acesso ao Paço e a cavalaria também chegou para dispersar os manifestantes.

Um grupo atirou pedras, bombas caseiras contra a guarda, que reagiu com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral, teaser e gás de pimenta. Pelo menos seis guardas e um jornalista ficaram feridos atingidos por pedradas. Do lado os manifestantes, muita gente teve de ser socorrida por causa da fumaça das bombas jogadas pela guarda.

O estudante de geografia da Unicamp Rodrigo Fernandes, 34 anos, foi atingido na testa por uma das bombas da guarda e ficou ferido. "Estávamos em uma manifestação ordeira quando fomos recebidos com truculência pela guarda."

 

A manifestação em Campinas ocorreu mesmo depois do anúncio ontem de que a tarifa de R$ 3,30 cairia para R$ 3. O ato, que estava marcado para as 17h, começou com uma hora e meia de antecedência, quando os manifestantes bloquearam a avenida Francisco Glicério, principal corredor comercial do centro da cidade.

Depois de saírem em passeata pelas principais vias da área central, em que os atos de vandalismo eram coibidos pelos próprios manifestantes, o grupo se concentrou na prefeitura por volta das 18h. O prédio, que é todo envidraçado, teve vários vidros quebrados. Cinco ônibus foram depredados, além de uma agência bancária e lojas. A situação é de guerra.

Tudo o que sabemos sobre:
protestos, campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.