''Manutenção deve ser permanente''

Especialistas defendem combate ao gotejamento, mas não veem riscos

Fábio Mazzitelli, O Estadao de S.Paulo

09 Julho 2009 | 00h00

Infiltrações em túneis são normais e não indicam problemas estruturais. Mas é necessária manutenção permanente e preventiva. Esse é o principal alerta que surge com o gotejamento dos túneis na Rodovia dos Imigrantes, conforme o professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), Paulo Helene, que foi um dos consultores da obra da pista. "Não deve ter infiltração de água significativa num túnel porque essa água contribui para a falta de aderência dos carros, que podem derrapar. Mas, do ponto de vista da estrutura do túnel em si, não há risco nenhum", afirma. Há quatro anos, quando surgiram os primeiros problemas de gotejamento nos túneis novos da Imigrantes, Paulo Helene foi à pista e viu os problemas de perto. Como a situação persiste, para ele, é razoável que haja cobrança sobre o trabalho de manutenção realizado pela Ecovias. "Nos primeiros dez anos, problemas relacionados à acomodação são naturais. Agora, é fundamental uma manutenção permanente. Considera-se razoável e justo que haja cobrança sobre o trabalho dos concessionários para a manutenção, que tem de ser permanente", diz o professor da USP. Para Roberto Kochen, diretor de Engenharia Civil do Instituto de Engenharia (IE), as formas de se evitar infiltrações passam por técnicas que encarecem muito a obra. Para fazer a nova pista da Imigrantes, foram gastos R$ 630 milhões (US$ 300 milhões). "Todo túnel acaba tendo infiltração, em maior ou menor grau, a não ser que você faça uma impermeabilização", diz Kochen. "Normalmente, quando o fluxo (de gotejamento) é forte, tem de tomar uma atitude e fazer alguma coisa para combater", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.