Mapa transforma os 75 anos da USP em charge

Obra bem-humorada faz alunos conviverem com Chaplin e Freud

, O Estadao de S.Paulo

29 de abril de 2009 | 00h00

O Museu de Arte Contemporânea, a Torre do Relógio, o Instituto Butantã. Um estudante lendo um livro na grama, outro andando de bicicleta e um terceiro atrasado correndo para a prova. Por meio de um mapa bem-humorado e recheado de detalhes, o artista plástico Luiz Roberto Maia, de 62 anos, conta a história da Universidade de São Paulo (USP), que acaba de completar 75 anos. A Escola Politécnica (Poli) vai agora distribuir 4.500 pôsteres com o mapa. Para ter toda a riqueza de detalhes, Maia visitou todas as faculdades e institutos do câmpus, leu diversos livros e fotografou todos os prédios, o que rendeu mais de 1.200 imagens. O trabalho foi realizado em quatro meses. "Eu fui conhecer a história da USP, o que ela representa para a cultura brasileira e para a vida de São Paulo. Também fui descobrir quem são as 100 mil pessoas que vivem nessa ?cidade?. Conversei com estudantes e professores, escutei seus sonhos, planos e contestações", diz Maia. Ele também desenhou caricaturas de personalidades para reforçar a característica de cada curso. É possível ver Euclides, um dos maiores matemáticos da Antiguidade, ensinando geometria a um aluno no prédio do Instituto de Matemática. Ou o pai da psicanálise, Sigmund Freud, observando um triângulo amoroso do alto do prédio do Instituto de Psicologia. No prédio da Escola de Educação e Artes (ECA), um jovem Glauber Rocha filma Charles Chaplin e Marilyn Monroe. No canto direito, está o engenheiro e político Armando de Sales Oliveira, cujo nome batiza a Cidade Universitária. "Retirei a imagem de um desenho em que ele aparece jovem, pintado por Cândido Portinari." Outra proposta do artista era a de romper com estereótipos para que alunos, professores e funcionários pudessem apontar para o mapa e se "encontrar". E também a de colocar uma dose de humor. As cobras do Instituto Butantã estão de olho no sushi preparado no Centro de Estudos Japoneses (Cejap). No Instituto de Anatomia, duas caveiras jogam bola. Também está no mapa um pouco da própria história do artista. O cachorro da raça collie que é examinado no Instituto de Veterinária é, na verdade, seu cão Oscar, que era levado ali para tratamento. "É quase uma história em quadrinhos, só que maior e num plano único. É possível ficar um tempão observando cada detalhe. E cada detalhe conta uma história. Na arte, se pode contar muitas coisas em pouco espaço e cada um pode fazer a sua interpretação."PARCERIAEsse já é o segundo mapa da Cidade Universitária assinado por Maia. O anterior, feito há 15 anos, no centenário da Poli, foi elaborado em parceria com Haroldo George Gepp. Ao longo de 30 anos, a então dupla Gepp-Maia fez mais de 60 mapas, da cidade de São Paulo - incluindo todas as suas regiões - e de quase todas as capitais brasileiras. A singularidade do trabalho levou a dupla a retratar diversos países, incluindo França, México, Egito e Turquia. FRASESLuiz Roberto MaiaArtista plástico"É quase uma história em quadrinhos, só que maior e num plano único. É possível ficar um tempão observando cada detalhe"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.