Maradona, Cicarelli e Raica são destaques de camarote

O ex-jogador de futebol argentino Diego Maradona foi a Gisele Bündchen do camarote da Brahma 2006 - no quesito tumulto. Ele chegou às 23h30 para conferir o primeiro dia de desfiles no sambódromo do Rio, segurando uma lata de guaraná. A apresentadora da MTV Daniela Cicarelli, de mini-saia preta e sandálias havaianas, foi o destaque no quesito principal, apesar de a Brahma ter escolhido, antecipadamente, a atual do atacante Ronaldo, a modelo Raica Oliveira, como "musa do camarote". As duas estavam no mesmo lugar, mas não se cruzaram. Cicarelli se divertiu com o suposto constrangimento: "Tirando o calor, está tudo certo. Não tem por que brigar no carnaval. Nem no Natal, nem no Dia das Mães", disse ela, que foi embora sozinha, às 2h30, depois de conversar com o rapper norte-americano Puffy Daddy. Sobre a solteirice, declarou: "Não estou pegando nada. Não tá fácil." Raica não quis comentar a presença da ex de Ronaldo. A gerente de marketing da Brahma, Paula Lindenberg, deu uma justificativa para a escolha da musa: "Escolhemos Raica porque, assim como a seleção brasileira, ela representa muito bem o Brasil lá fora." A Brahma é patrocinadora oficial da seleção e, este ano, o tema do camarote é a Copa do Mundo. Se ainda estivesse com Ronaldo, Cicarelli teria sido a escolhida? Maradona chegou isolado por um cordão de onze seguranças e seguiu para o local reservado aos convidados considerados mais importantes, no canto direito do camarote, conhecido como curral, cercado por grades de ferro. Causou tumulto a passagem do craque. "É briga?", perguntaram alguns convidados. Seguranças, fotógrafos e curiosos quase atropelaram Cicarelli, que parou, assustada, a conversa no corredor com o pai de Ronaldo, Nélio. Raica chegara mais cedo, acompanhada da sogra Sônia, mãe do atacante. Conhecer Ronaldo mudou alguma coisa na vida dela? "A única coisa que mudou foi o assédio, que aumentou muito, mas não me incomoda", disse Raica. Maradona perdia a linha - sentado na sacada, durante os desfiles, ou no trajeto até o restaurante, em alguns intervalos. "Estou enamorado. Dá-me tu telefono!", disse ele para Mel Britto, mulher do presidente da Caprichosos de Pilares. Passistas da Rocinha e a modelo Fabiana Andrade, que desfilou com os seios à mostra, foram outros alvos. Ele ainda beijou Denise Cinelli, da Imperatriz Leopoldinense. A caminho do jantar, por volta de 1h30, de novo cercado por seguranças, Maradona parou repentinamente e desfez o cordão de isolamento para beijar uma das convidadas, a loira Daniela Gatti. "Eu só queria dar um beijo, mas sou casada. Não quero nada com ele", justificou, depois, a moça. Cicarelli não conversou com o craque, mas confirmou a fama de Gisele do ex-jogador no camarote: "Ele foi um sucesso com todo mundo que passava nas escolas. O futebol é uma coisa assim, acho que tem a ver." Ela admitiu que não sabe sambar e disse que por isso recusou convite para ser madrinha de bateria. "Minha intimidade com carnaval é nenhuma. Não mereço." Maradona entregou sua camisa de convidado da Brahma a um gari que limpava a avenida, no intervalo dos desfiles. Ficou até o fim. Antes, deixou sua assinatura na nova camisa oficial da seleção brasileira, exposta no restaurante do camarote.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.