Maranhão decreta estado de calamidade por falta d'água

Governo mandou enviou assunto para o Ministério das Cidades, após estudos realizados pela Caema

Agência Brasil,

28 de setembro de 2009 | 14h15

A população do Maranhão pode ficar sem abastecimento de água. O problema levou o governo a decretar estado de calamidade pública por 90 dias. A decisão foi tomada na sexta-feira, 25, com base em estudos da diretoria da Companhia de Água e Esgotos do Maranhão (Caema).  A governadora do Maranhão, Roseana Sarney, encaminhou o assunto ao Ministério das Cidades.

 

O secretário de Estado da Saúde, Ricardo Murad, disse, na sexta-feira, que a situação é realmente de calamidade, principalmente em São Luís e que a Procuradoria-Geral do Estado foi mobilizada para estudar a questão e verificar qual o mecanismo para colocar toda a estrutura do governo para atender as necessidades indicadas no estudo feito pelos técnicos da companhia de água.

 

Na primeira quinzena deste mês, moradores a capital maranhense já sofreram com a falta de fornecimento de água. O rompimento da Adutora Italuís no último dia 13 - a quarta vez neste ano - fez com que 30 bairros de São Luís, cerca de 60% da população, passassem por racionamento.

Tudo o que sabemos sobre:
São LuísMaranhãoabastecimentoágua

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.