Marcela Spinosa

A polícia identificou Paulo César de Oliveira Carneiro, de 19 anos, como o autor do atropelamento que matou o universitário Rafael de Freitas e feriu seu amigo Vinícius Mauri, ambos de 22, na madrugada de sábado, no Jardim Marajoara, zona sul da capital. Após a apreensão no sábado à noite de um Corsa preto com para-brisa quebrado, na região, a polícia chegou ao acusado. Até as 19h30 de ontem, ele não havia se apresentado.Na manhã de ontem, o advogado do suspeito esteve no 99º Distrito Policial e contou que seu cliente discutiu com um travesti na Rua Doutor Ferreira Lopes, esquina com a Rua Olavo Bilac - local do atropelamento. Esse relato sobre o travesti foi confirmado em depoimento por uma testemunha. Uma jovem, amiga das vítimas atropeladas, contou que Carneiro parou o veículo perto dela e mais três amigos. Ele perguntou se eles haviam visto o travesti que havia quebrado seu para-brisa. O grupo disse que não. Carneiro deu a volta no quarteirão e, em seguida, atropelou o grupo.Após fugir, Carneiro teria lavado o carro para limpar manchas de sangue, diz a polícia. Ele seguiu para o prédio onde mora um amigo, na região. Deixou o Corsa na garagem, coberto, sem placas. O amigo pode responder como cúmplice.O porteiro do prédio prestou depoimento e confirmou que Carneiro não é morador e disse que o carro chegou com as placas. A família de Rafael passou o dia no DP. "Só sairei daqui quando ele (suspeito) for preso", disse a tia Elaine Gomes. A decoradora Carla Melo, mãe de Karen, namorada de Rafael que está grávida de 8 meses, estava revoltada. "A primeira coisa que ela disse quando soube da morte é que o filho será Rafael", disse chorando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.