Marcelo Rossi cria selo para evitar pirataria

Para evitar que a pirataria derrube as vendas de seu último CD "Ele está para Chegar" com músicas do cantor Roberto Carlos, comprometendo o faturamento, o padre Marcelo Rossi, decidiu aceitar o conselho de seu cunhado e colocar um selo na embalagem. "Em janeiro de 2002 farei um sorteio desses selos e os seis ganhadores poderão fazer uma viagem comigo para Roma", contou. Nessa viagem ele pretende levar "os ganhadores para conhecerem as basílicas de Roma, o Coliseu e o papa". Indagado quando isso aconteceria ele respondeu que "tudo depende da resposta do Santo Papa".Em uma outra conversa com um jornalista padre Marcelo havia dito que estava muito preocupado com a piratagem que havia provocado uma queda de 50% na receita comparada à cifra arrecadada no seu primeiro lançamento. A idéia do selo funcionou. Pelas suas contas, desde o lançamento, no último dia 28, até agora foram comercializados 500 mil unidades. Questionado sobre o faturamento ele respondeu "Isso não me interessa. O dinheiro é para a Igreja". Quanto ao preço ele disse também desconhecer.Convites - Segundo padre Marcelo, foram feitos 150 mil convites para a missa do Dia de Finados. Cerca de 100 mil foram trocados por alimentos que reverteram em 100 mil quilos. Os outros 30 mil foram distribuídos entre caravanas e 20 mil sobraram. Os alimentos serão distribuídos em duas etapas. A metade irá para a campanha do "Natal sem Fome e os outros 50 mil a prefeitura de São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, decidirá o rumo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.