Marcha de mulheres queima bandeira americana

Terminou no início desta noite a passeata promovida nesta sexta-feira por diversas entidades de classes ligadas a partidos políticos de esquerda, na Avenida Paulista. Os manifestantes caminharam da Praça Oswaldo Cruz até o Vão Livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), onde estão concentrados na noite desta sexta-feira.A caminhada ocorreu sem incidentes e foi marcada por críticas aos candidatos à Presidência da República, concorrentes de Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT). Os manifestantes criticaram diretamente o candidato do PSDB, José Serra, ex-ministro da Saúde.Os organizadores pediram aos participantes que dessem uma vaia em "quem organizou a Saúde no Brasil". Também lembraram da candidata do PFL, a governadora do Maranhão, Roseana Sarney. Faixas traziam os dizeres "fora Roseana", enquanto uma militante falava ao microfone do carro de som que "não basta ser mulher, mas que é preciso ser uma mulher de luta, comprometida com o povo".O carro de som parou em frente ao prédio da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), onde os manifestantes queimaram uma bandeira norte-americana. O ato simbolizou, segundo os organizadores, a queima da subordinação do Brasil em relação aos EUA.Os organizadores do movimento pediram também que os manifestantes fizessem um panelaço contra o presidente da Fiesp, Horácio Láfer Piva, mas os participantes não atenderam ao pedido. Ainda durante a caminhada, houve protestos contra a Área de Livre Comércio das Américas (Alca) e pedidos pela paz e pela liberalização do aborto.A manifestação, que ocorreu em sua maior parte debaixo de uma forte chuva, foi convocada tendo como pretexto as comemorações do Dia Internacional das Mulheres. Segundo informação da Polícia Militar, a manifestação contou com a presença de cerca de mil pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.