Marchinhas de carnaval ocupam o lugar do reggae em São Luís

Há três dias que só se ouve músicas carnavalescas nas ruas de São Luís, apontada como a Jamaica Brasileira por causa da força que o reggae tem na cultura local. Em todos os cantos da cidade é possível se ver os "blocos de sujos", que são charangas e fanfarras que arrastam pequenos grupos de foliões que brincam com bombas d´água e maisena para atirar nos outros. Durante o dia, os chamados "blocos de sujos" dominam o cenário. Estes blocos, como a já tradicional "máquina de descascar alho", se sucedem durante a manhã e a tarde para animar os foliões que resistiram á noite anterior. Mas é no centro histórico de São Luís, que se concentram as principais atrações do carnaval de rua da cidade. No circuito Praça Deodoro-Madredeus, á todo momento é possível se ver os blocos organizados, tradicionais, alternativos, afro e populares desfilando e arrastando foliões por um corredor onde se passa por sete hospitais e termina na praça de um cemitério. Entretanto é à noite que surgem as atrações principais do carnaval de rua da cidade, como os blocos "Bicho Terra", "JegueFolia" e "Siri Com Caimbara", que arrastam milhares de pessoas pelo circuito. De acordo com estimativas do Corpo de Bombeiros, cerca de 200 mil pessoas passam por noite neste circuito, que tem apenas 6 km. Para atender este povo, que representa 15% de toda a população da ilha, a Prefeitura licenciou cerca de 400 ambulantes, 500 policiais e bombeiros se revezam para garantir a segurança e um exército de 300 garis foi colocado na região para garantir a limpeza pública mesmo durante a folia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.