Marcinho VP foi estrangulado; polícia já tem suspeitos

O seqüestrador e traficante Márcio Amaro de Oliveira, de 33 anos, o Marcinho VP, foi assassinado no presídio Bangu 3. O secretário estadual de Administração Penitenciária, Astério Pereira dos Santos, informou que a morte aconteceu por estrangulamento. O corpo foi encontrado numa lata de lixo. Mesmo preso, ele chefiava a venda de drogas na Favela Dona Marta, em Botafogo, zona sul, segundo a polícia.VP estava na galeria A3, junto com outros 57 presos e foi morto durante um banho de sol. Transferido recentemente para a unidade, o traficante Ronaldo Pinto Lima e Silva, de 31 anos, o Ronaldo Tabajara, líder do tráfico na Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana, é o principal suspeito.A morte será investigada pelas secretarias estaduais de Segurança Pública e de Administração Penitenciária. As autoridades querem apurar as circunstâncias do crime e a possibilidade de conivência por parte de agentes penitenciários. Os depoimentos começam nesta terça-feira.Além do criminoso morto nesta segunda-feira, há outro Marcinho VP no tráfico carioca. Considerado mais perigoso, Marcio dos Santos Nepomuceno, chefe do Morro do Alemão, é aliado de Fernandinho Beira-Mar, e acusado de ter participado da chacina em Bangu 1 na qual morreram quatro presos, entre eles Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê, em setembro do ano passado.Márcio Amaro de Oliveira ganhou notoriedade em 1996, quando o cineasta norte-americano Spike Lee foi ao Dona Marta para gravar um clipe de Michael Jackson. Na ocasião, Lee teve de negociar diretamente com VP e pedir autorização ao traficante para as filmagens.Logo após a gravação do clipe, jornais do Rio publicaram uma longa entrevista com VP. Na ocasião, o então governador Marcello Alencar mandou a polícia cercar a favela e prendeu o traficante uma semana depois. VP conseguiu fugir em 1997 e, foragido na Argentina, recebeu ajuda financeira do documentarista João Moreira Salles.O relacionamento do traficante com o cineasta, iniciado durante as filmagens do documentário "Notícias de uma Guerra Particular", provocou uma crise na cúpula da segurança pública do Estado, em 2000. O primeiro contato entre Salles e VP ocorreu em 1995, quando o filme, que retrata o tráfico nos morros cariocas, ainda era um projeto.A trajetória de Marcinho VP foi contada pelo repórter Caco Barcellos, no livro Abusado, o dono do Morro Dona Marta, lançado em maio pela Record, em que o traficante aparece com o nome Juliano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.