Celso Junior/AE
Celso Junior/AE

Marco Maciel recusa cargos de Kassab

Após pressão do DEM, ex-vice presidente da República agradece ao prefeito, mas rejeita convite para integrar conselhos da CET e SPTuris

Eduardo Bresciani / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2011 | 00h00

Depois de um grande constrangimento dentro do seu partido, o presidente do Conselho Político do DEM, Marco Maciel, recusou as indicações para compor o conselho de duas empresas da Prefeitura de São Paulo. Pernambucano, o ex-vice-presidente da República foi convidado para os cargos pelo prefeito Gilberto Kassab, que deixou o a legenda de Maciel para fundar o PSD. O fato levou integrantes do DEM a pressioná-lo para escolhesse entre o partido ou o prefeito paulistano.

Ao justificar a indicação, Kassab afirmou que Maciel merecia ser conselheiro da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da São Paulo Turismo (SPTuris) por sua "experiência" na vida pública. O ex-vice-presidente do DEM Jorge Bornhausen, aliado de Kassab que também deixou a legenda, chegou a dizer que se deveria "bater palmas" para a indicação.

No DEM, porém, a nomeação foi vista como uma provocação e gerou cobranças sobre a postura de Maciel. Para integrantes da legenda, sua posição de presidente do Conselho Político do partido é incompatível com a indicação de Kassab, que comanda um ataque especulativo às fileiras do DEM.

Ontem à noite, o prefeito lamentou a decisão do ex-senador. "Ele é uma pessoa muito querida, respeitada, e que pode ainda, nos próximos anos, continuar exercendo atividades na vida pública", disse Kassab, na entrega do prêmio Top Imobiliário, organizado em parceria pelo Grupo Estado, Embraesp e Secovi-SP. "Quando ele tiver essa disposição (de ocupar um cargo na Prefeitura), será muito bem recebido."

Ultimato. O presidente do DEM, José Agripino Maia (RN), expôs a Marco Maciel o desconforto do partido e pediu que ele fizesse uma opção entre os cargos de Kassab ou a permanência dele na legenda. O ex-vice presidente, então, comunicou ontem à Executiva do DEM a recusa aos convites feitos por Kassab.

Em nota, Maciel afirmou que o convite para participar dos conselhos das duas empresas ocorreu "no final de 2010", quando Kassab ainda era do DEM. O convite foi feito logo após Maciel ser derrotado ao tentar a reeleição para o Senado por Pernambuco. Ele destacou ainda, na nota, a decisão de continuar na legenda.

"Continuarei a participar da consolidação dos princípios sociais-liberais do Democratas, ao qual tenho dedicado especial empenho desde os idos de 1984. Nesse ano, pactuamos a aliança democrática que contribuiu para o retorno do estado de direito, a convocação da Assembleia Nacional Constituinte e a promulgação da Constituição de 1988."

O presidente do DEM reafirmou sua posição de confiança em Maciel e deu o assunto como encerrado. "Eu sempre confiei na correção partidária dele. Tanto eu tinha razão que ele tomou a iniciativa e encerrou o assunto", afirmou Agripino.

O líder do DEM na Câmara, deputado ACM Neto (BA), também saiu em defesa de Marco Maciel. "Ele foi convidado ainda no ano passado. Quando viu o desconforto que isso gerou no partido ele prontamente renunciou."

Ajuda

R$ 12 mil

é o valor que o vice-presidente Marco Maciel receberia pela participação no conselho administrativo da CET e da SPTuris

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.