Marcola explica como parar ataques

Marcos Camacho, o Marcola, apontado como o líder máximo do Primeiro Comando da Capital (PCC), diz que a onda de ataques e rebeliões só terminará quando o governo do Estado cumprir integralmente a Lei de Execução Penal. A afirmação foi feita aos deputados da CPI do Tráfico de Armas no dia 8 de junho, durante interrogatório do preso no Centro de Readaptação Penitenciária (CRP) de Presidente Bernardes.Questionado pelo deputado Raul Jungmann (PPS-PE) sobre sua ida ao Departamento de investigações sobre o Crime Organizado (Deic), no mesmo dia em que teve início a primeira onda de atentados, Marcola respondeu: "Eu falei para ele (Godofredo Bittencourt, diretor do Deic): ´Não fui eu que dei início nisso, mas, se derem as condições dignas para os presos que estão lá (na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau), se cumprir a Lei 7.210, só se cumprir a lei, não há por que ter os atentados´".Apesar de negar a todo instante ter sido o mandante dos ataques, o preso se queixou da forma como a liderança do PCC - inclusive ele - foi transferida, no dia 11 de maio, para a Penitenciária 2 de Presidente Venceslau. "Nós fomos tirados 6 horas da manhã das nossas penitenciárias, que a gente estava em regime normal (...) fizemos uma viagem dolorosa de 7, 8 horas; chegamos todos mortos de cansado, com fome, com frio, com todas as necessidade básicas de higiene também, e permanecemos por mais 7 horas dentro desses caminhões, respirando gás carbônico."Para Marcola, o isolamento foi uma provocação do então secretário da Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa. Alguns dias depois, ao ser procurado no CRP de Presidente Bernardes por emissários do governo paulista, o preso voltou a pedir que os detentos fossem tratados com dignidade. E se propôs a acompanhar a comitiva até a Penitenciária 2 de Presidente Venceslau - de onde, segundo Marcola, partiam as ordens - para pedir o cessar-fogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.