Mares Guia vê coincidência em dois acidentes aéreos em 10 meses

O ministro das Relações Institucionais, Walfrido Mares Guia, afirmou nesta quarta-feira que não há motivo para que a população tenha medo de voar, após o acidente com um avião da TAM, o pior da história da aviação brasileira. Segundo ele, não se discute a segurança dos vôos no país e é coincidência o fato de os dois acidentes aéreos mais graves -- com o avião da TAM na véspera e um da Gol no ano passado -- terem ocorrido em um intervalo de apenas dez meses. "Não tem que ter medo de voar, nós não estamos discutindo --a própria CPI já levantou essa discussão-- a segurança dos vôos. Nós temos milhares de vôos no Brasil em dezenas de aeroportos", disse a jornalistas, acrescentando que é um "contumaz" usuário do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, onde ocorreu o acidente com o avião da TAM na noite passada. Questionado se era apenas coincidência os dois acidentes em um curto espaço de tempo, Mares Guia respondeu: "É. Um foi no ar... porque um transponder estava desligado... O outro foi no solo." Ele acrescentou que é preciso ter prudência ao comentar o desastre de terça-feira e que ninguém sabe ainda por que o avião da TAM aterrissou e não conseguiu parar. Perguntado se a culpa vai sobrar para o piloto do Airbus 320, Mares Guia afirmou que não pode achar nada, mas disse que a culpa não é do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Não é culpa do presidente um piloto de um avião executivo desligar o transponder e nem às vezes é culpa do presidente, nem de ninguém, a não ser de quem está pilotando, se o desastre que aconteceu ontem foi uma falha humana. Por isso acho que nós temos que ter uma prudência enorme para não levantar suspeita onde não temos evidência ainda." (Reportagem de Isabel Versiani)

REUTERS

18 Julho 2007 | 13h06

Mais conteúdo sobre:
BRASIL ACIDENTE WALFRIDO COINCIDENCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.