Deputada federal Flordelis/ Instagram
Deputada federal Flordelis/ Instagram

Marido da deputada federal Flordelis será enterrado nesta segunda-feira no Rio

Pastor Anderson Carmo foi morto a tiros na madrugada do último domingo, em Niterói, na região metropolitana do Rio; polícia investiga a hipótese de execução por conta de uma briga familiar em razão de uma dívida

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2019 | 09h54

RIO - Está marcado para as 11 horas da manhã desta segunda-feira, 17, o enterro do corpo do pastor Anderson Carmo, de 42 anos, marido da deputada federal Flordelis (PSD). 

O enterro será no Cemitério Memorial Parque, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, onde o velório acontece desde o início desta manhã. 

O pastor foi morto na madrugada de domingo, 16, atingido por 15 tiros na garagem de casa, em Pendotiba, em Niterói.

Anderson e a mulher voltavam de um evento de confraternização e teriam sido seguidos até em casa. Segundo a deputada contou à polícia, depois que chegaram em casa, o marido voltou à garagem porque teria esquecido algo dentro do carro. A família ouviu o som dos disparos e desceu correndo. Ele chegou a ser levado para o Hospital Niterói D'Or, mas não resistiu aos ferimentos. 

As primeiras informações indicam que três homens encapuzados teriam feito os disparos. A polícia investiga a hipótese de execução por conta de uma briga familiar em razão de uma dívida. Mas nenhuma hipótese ainda foi descartada. 

Imagens de câmeras de segurança da rua já foram requisitadas e estão sendo analisadas para a obtenção de pistas. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo.

O casal tinha 55 filhos adotivos e, com eles, fundou a Comunidade Evangélica Ministério Flordelis, no bairro do Rocha, na zona norte do Rio.

Investigação. A Secretaria de Estado de Polícia Civil informou que a Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo instaurou um inquérito policial para apurar as circunstâncias da morte do pastor.

Agentes fizeram uma perícia no local da execução e no carro da vítima. Policiais conduzem diligências para descobrir a identidade dos assassinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.