Marina critica falta de medidas preventivas

A candidata do PV à Presidência, Marina Silva, voltou a criticar ontem, no Recife, o recente escândalo envolvendo a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra. Apesar disso, Marina se esquivou ao ser questionada sobre o convite feito pelo senador Álvaro Dias (PSDB-PR) para que a presidenciável petista, Dilma Rousseff, compareça para prestar esclarecimentos na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Monica Bernardes ESPECIAL PARA O ESTADO RECIFE, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2010 | 00h00

"Isso (denúncia) precisa ser esclarecido institucionalmente. A ministra Dilma assumiu a Casa Civil a partir de uma grave crise, instalada após o caso grave envolvendo o mensalão. Naquele momento era fundamental ter tomado medidas profiláticas para que isso não voltasse a acontecer. É essa explicação que precisa ser dada porque ao que parece nada foi feito e os problemas se repetem", destacou.

Ainda segundo a candidata, a "inexistência de medidas preventivas" por parte do governo federal foi motivada pelos acordos com partidos aliados. "As pessoas só querem ligar seus nomes aos acertos e não aos erros. A atitude correta é você reconhecer os ganhos, mas ter atitude de confrontar os erros, mesmo que isso incomode quem está na base aliada. Isso é cuidar adequadamente da gestão pública."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.