Marina critica governo por dar voz a ditadores

A candidata do PV à Presidência, Marina Silva, criticou ontem, durante encontro com jovens apoiadores em Belo Horizonte, a relação de proximidade do governo Lula com regimes autoritários como Cuba e Irã.

Eduardo Kattah, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2010 | 00h00

Mesmo sem condenar por completo a política externa do atual governo, Marina disse que o Brasil perdeu a oportunidade de reafirmar nas relações internacionais seus princípios democráticos ao dar voz ao presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad ou não condenar as prisões políticas em Cuba.

"Temos de tratar a política externa a partir de princípios e valores", disse, citando a democracia, a defesa dos direitos humanos e da adversidade. "Não é pelo fato de termos proximidade ideológica que vamos relativizar esses valores. Também não vamos dar audiência para os ditadores que não respeitam a vida, os direitos humanos e a democracia. Dialogar sempre, mas fortalecer essa cultura política jamais."

Marina, contudo, destacou que não considera a política externa "como se fosse toda ela equivocada". "Mas nessa questão da defesa dos direitos humanos tivemos equívocos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.