Marina defende liberdade de imprensa

Após reunião com seu conselho político de campanha, a candidata do PV à Presidência, Marina Silva, avaliou ontem que a crítica do presidente Lula à imprensa "é contraditória com toda a sua trajetória política dentro do PT".

Gustavo Uribe / AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 00h00

A presidenciável defendeu o direito de a imprensa fazer "denúncias graves" e "manifestar seus posicionamentos" sobre os fatos. Marina destacou que, em um processo eleitoral, a imprensa não pode ter um papel secundário e deve fazer uma cobertura equânime. "Eu acredito na liberdade de imprensa. E a imprensa, ao se colocar dessa forma, estará cumprindo sempre o seu papel."

A candidata do PV fez as declarações ao ser questionada sobre as investidas recentes de Lula contra a imprensa brasileira. Anteontem, por exemplo, ele insinuou que os veículos de comunicação "inventam" denúncias contra seu governo.

"Promessômetro". Sem citar nomes, Marina voltou a acusar os adversários de irem para o "vale-tudo" na campanha e disse que, até agora, tem fugido da "tentação" de fazer promessas. "Não temos tido uma atitude do varejo, do "promessômetro" para ganhar simpatia", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.