Marina defenderá política econômica atual em NY

AGÊNCIA ESTADO

Daiane Cardoso, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2010 | 00h00

A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, deverá defender a continuidade da política econômica do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o encontro que terá amanhã, em Nova York, com representantes da comunidade financeira internacional.

O atual tripé da política econômica, formado por meta de inflação, câmbio flutuante e superávit primário, será mantido se a senadora for eleita. Ela não quis adiantar ontem detalhes do discurso que fará, mas já se sabe que enfatizará que sua principal diferença será o destaque maior para a questão da sustentabilidade dos planos econômicos.

A agenda de Marina em Nova York começa hoje. Além do encontro com investidores, que está sendo organizado pela BM&F/Bovespa, a candidata participa também de um almoço com empresários nesta quarta-feira.

Twitter. Os articuladores da campanha da candidata do PV lançaram ontem no final da manhã uma campanha destinada a elevar para mais de 100 mil o número de seguidores da senadora nas redes sociais - Twitter, Orkut e Facebook. Chamada de twitaço, a campanha, com o slogan Eu Voto Marina, ultrapassou a marcada pretendida por volta das 15h30.

A senadora acompanhou a mobilização de uma lan house na Rua Augusta, nas imediações da Avenida Paulista. Após a mobilização virtual, participou de uma caminhada até a Avenida Paulista. No Conjunto Nacional, ao posar para uma foto ao lado de uma escultura de Dom Quixote, comparou seu papel na disputa eleitoral com a do herói de Cervantes, que duelava com moinhos de vento acreditando que eram gigantes: "A diferença é que eu duelo com moinhos de vento que acham que são gigantes."

Rótulos. Em entrevista coletiva, a candidata voltou a cobrar dos adversários o debate de propostas. Disse que Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) recorrem à estratégia de aplicarem rótulos um ao outro para evitar o debate.

"Quando não se quer debater, faz-se isso, rotula a pessoa dessa ou daquela coisa. Você não precisa dar explicações, basta rotular", disse a candidata, comentando a acusação feita pelo vice de Serra, Índio da Costa (DEM-RJ), sobre as relações entre o PT e as Farc da Colômbia.

A candidata também criticou os adversários por violações da legislação eleitoral. "Aqui, em São Paulo, o governador (Alberto Goldman) estava fazendo campanha para o governador Serra, da mesma forma que o presidente Lula tem extrapolado em relação à sua candidata."

PARA LEMBRAR

Tripé, adotado em 99, deteve crise e inflação

O tripé da política econômica foi implantado em 1999, quando Armínio Fraga assumiu o Banco Central e era urgente conter a inflação e estabilizar a moeda. Pelo primeiro ponto, o câmbio flutuante, o valor do dólar passou a ser definido pelo mercado, não mais pelo BC. O segundo - metas de inflação - permitiu reorganizar a economia, com medidas fiscais e monetárias. O terceiro, superávit primário, obrigou o governo a economizar para pagar juros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.