Marina muda de opinião e defende privatização

Pré-candidata do PV à Presidência, a senadora Marina Silva saiu em defesa da privatização da telefonia no governo de Fernando Henrique Cardoso. "Fui contra a privatização, mas hoje vejo que o princípio foi correto e a mudança positiva", disse em entrevista ao jornalista João Doria Jr.

Lucas de Abreu Maia, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2010 | 00h00

A senadora se declarou a favor das parcerias público-privadas e disse que a sociedade "está mais atenta" quando o assunto é privatização. "Por isso, estão puxando o freio", analisou. A entrevista vai ao ar amanhã pela Rede Bandeirantes.

Indagada sobre qual estratégia adotará para vencer as eleições, ela reconheceu as dificuldades políticas de sua candidatura - o PV não tem aliança com nenhuma legenda -, mas afirmou que pretende "mobilizar os corações e mentes dos brasileiros". "Nosso tempo de campanha será menor do que o dos outros partidos", admitiu, acrescentando que a internet e as redes sociais deverão funcionar como ferramentas de campanha.

A senadora defendeu a indicação de seu vice, Guilherme Leal. Questionada se estaria seguindo os passos de Lula - cujo vice, José Alencar, foi escolhido para acalmar o setor empresarial -, ela negou: "É uma coincidência. Leal é um empresário de sucesso, com boas práticas empresariais e comprometimento com o meio ambiente, por isso foi indicado ao cargo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.