Marina pede agilidade na apuração de denúncias

A candidata do PV à Presidência, Marina Silva, defendeu ontem, em sabatina na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Brasília, que os eleitores empurrem a eleição para o segundo turno para que haja tempo para conclusão das investigações sobre a quebra de sigilos de tucanos e o suposto tráfico de influência da ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra.

Ana Paula Scinocca BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2010 | 00h00

"Na vida, ao tomar uma decisão a gente pensa duas vezes. Por que numa decisão que diz respeito a 190 milhões de pessoas querer decidir açodadamente?", observou. Segundo a candidata verde, "votar duas vezes é oportunidade de pensar duas vezes, de olhar duas vezes, de ouvir duas vezes''.

Marina ressaltou que encerrar a eleição no primeiro turno pode significar uma conclusão do processo eleitoral antes da hora. "Imagina se tiver um agravante e depois vier o veredicto", disse no evento da OAB.

Mais tarde, em entrevista, voltou a afirmar que a realização de um segundo turno permitirá "aprofundar" a apuração. Mas ressalvou: "Não vou utilizar isso como expectativa. Não estou apostando na desgraça da concorrência para me firmar."

A candidata do PV à Presidência pediu agilidade na apuração da denúncia de tráfico de influência envolvendo a ministra da Casa Civil, Erenice Guerra.

Marina afirmou que, se estivesse no governo, investigaria com maior rigor o caso. "Pela gravidade da denúncia que a investigação seja urgente e que se tenha a transparência. Não vou fazer julgamento a priori de ninguém."

Ao falar sobre sua campanha, Marina disse que tem feito "esforço muito grande para não ir para o vale-tudo eleitoral".

"Sinto que os brasileiros estão se mobilizando para que tenhamos um segundo turno para que as coisas possam ser melhor esclarecidas, investigadas, apuradas e que se possa pensar duas vezes antes de entregar o futuro do nosso País para os próximos quatro anos nas mãos de um dirigente que será escolhido", disse a candidata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.