Marina: 'Quero ser a 1ª mulher negra a governar o País'

Em convenção do PV que a oficializou candidata à Presidência, ela disse acreditar que o povo rejeitará a polarização PT/PSDB

Eugênia Lopes, João Domingos, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

Na convenção do PV que oficializou sua candidatura à Presidência, a senadora Marina Silva (AC) afirmou ontem que espera ser "a primeira mulher negra de origem pobre a governar o País". E que o povo brasileiro vai rejeitar a polarização entre o PT e os tucanos, pregada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e por sua candidata, a petista Dilma Rousseff.

Por isso, disse, tem a confiança de que vai para o segundo turno, porque o eleitor brasileiro vai mudar o voto. "Esse Brasil não pode ser adiado para amanhã. Ele começa agora. Não vamos aceitar o veredicto do plebiscito. Ele vai ser revogado pelo povo brasileiro", afirmou.

Marina declarou que em sua campanha - e se for eleita - vai olhar para trás e à frente. Para ela, tanto o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995/2002) quanto o presidente Lula marcaram suas trajetórias políticas no Brasil pós-democratização. Um, o catedrático, que lançou o Plano Real e garantiu a estabilidade da economia; o outro, o operário que, com seu projeto social e o Bolsa-Família, conseguiu tirar quase 20 milhões de pessoas da linha da pobreza.

Marina disse que não tinha nenhuma vergonha de elogiar tanto FHC quanto Lula, a quem dedicou maior espaço. "Porque sou candidata por outro partido, não preciso negar esse feito e a grande conquista do operário Luiz Inácio Lula da Silva, que quebrou o paradigma. Antes se dizia que era preciso crescer para distribuir o bolo. O Lula mostrou que foi distribuindo que continuamos e crescemos."

Dorzinha. Durante 25 anos ela militou no PT, partido do qual saiu em setembro passado para entrar no PV. Marina disse que ainda sente "dorzinha no coração" quando se refere ao ex-partido e a seus antigos companheiros, como os irmãos Viana (Jorge e Tião Viana), do Acre. "Nós estamos separados momentaneamente. Nós vamos nos encontrar num segundo turno, se Deus quiser".

A candidata verde lembrou que a educação foi a responsável por transformar sua vida: "Era analfabeta até os 16 anos e sei o que é viver pela metade."

Uma das plataformas de governo do PV é a educação, lembrou ela. "Foi graças à fresta da educação que minha vida mudou. Foi graças a uma educação de qualidade que um filho da classe média se tornou um dos empresários mais prósperos do Brasil", afirmou, apontando para seu vice, o empresário Guilherme Leal, dono da Natura.

Urgente. O auditório do Centro de Convenções Brasil 21, onde foi realizada a festa que oficializou Marina como candidata à Presidência, estava lotado. Como os verdes ainda não têm uma palavra de ordem para gritar para sua líder, tiveram de tomar emprestada uma tradicional do candidato Lula, agora usada também por Dilma Rousseff, o que demonstra que ainda não se libertaram do PT: "Brasil, urgente, Marina presidente."

Marina lembrou que o PV não tem alianças. E alfinetou os outros candidatos que, segundo seu raciocínio, estão costurando alianças "a torto e a direito". "Não temos política de aliança, pensando apenas com o velho cálculo pragmático de mais palanques, mais recursos, mais votos", disse. "Decidimos fazer aliança com os jovens, idosos, índios, negros, com todos os brasileiros e brasileiras que estão aqui."

A candidata também fez da cerimônia do seu partido uma festa familiar. Levou o pai Pedro Augusto da Silva, de 82 anos, irmãs e irmão, tias e os quatro filhos. Todos, segundo ela, corresponsáveis pela grande virada em sua vida, que agora permite ser candidata a presidente da República.

METAS DE GOVERNO

Democracia

Política cidadã baseada em princípios e valores. No processo decisório atual o presidente eleito se isola junto a poucos líderes partidários e aliados políticos, no chamado "presidencialismo de coalizão", que deixa a sociedade distante, desinformada, sem voz

Educação

Construção de um sistema nacional que promova a articulação entre União, Estados e municípios, de forma a superar disparidades na distribuição de recursos entre as regiões

Economia

Política sustentável, com metas de inflação, responsabilidade fiscal e câmbio flutuante, administrando as políticas fiscal, monetária e cambial para garantir o equilíbrio interno e externo

Previdência

Reforma com transição de um sistema de repartição deficitário para um regime de capitalização unificado para todos os trabalhadores. Será necessário separar os benefícios previdenciários da seguridade social

Meio Ambiente

Estímulo à geração de empregos verdes, com baixa emissão de carbono, fortalecimento da agricultura familiar e agronegócio sustentável para aumentar o ganho de produtividade aliado à conservação e restauração dos recursos naturais; desmatamento zero em todos os biomas, redução do uso de agroquímicos e transição para um modelo de agroecologia

Sustentabilidade

Cidades sustentáveis e democráticas, com a garantia de mobilidade para todos

Social

Consolidação e ampliação das boas práticas associadas a políticas e programas sociais, como o Bolsa-Família; dar a todos condições dignas de moradia, alimentação saudável e em quantidade suficiente, prevenção de doenças e redução da violência como valor das políticas governamentais na área da saúde, saneamento, gestão urbana e desenvolvimento regional

Infraestrutura

Saneamento básico integrado ao direito à moradia digna e qualidade de vida, com superação do déficit habitacional e de promoção da saúde; água boa e de qualidade para todos, com proteção aos mananciais; apoio à política nacional de resíduos sólidos aprovada no Congresso, que distribui responsabilidades pelo destino do lixo a todos: fabricantes, comerciantes e consumidores

Segurança

Reestruturação da segurança pública para garantir o pleno exercício dos direitos e liberdades constitucionais por meio de uma nova estrutura institucional de segurança pública, com mudança do modelo policial e investimentos em políticas preventivas, integração entre os agentes da União, Estados e municípios e salário digno aos agentes de segurança

Defesa

Modernização das Forças Armadas e transformação dos grandes ecossistemas brasileiros em objetivos prioritários de defesa nacional, como os recursos marítimos e o potencial hídrico da Amazônia

Direitos humanos

Lutar contra todas as formas de discriminação: étnica, racial, religiosa, homofobia, sexual e outras

Política externa

Ter uma política externa voltada para a cooperação e solidariedade e em busca das Metas do Milênio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.