Marina recebeu R$ 3 mi de setores poluidores

A campanha da senadora Marina Silva, candidata do PV para a Presidência, recebeu R$ 3 milhões em doações de segmentos poluidores, como os de metalurgia, mineração, papel e celulose, fertilizantes e cana-de-açúcar. Dentre os outros setores contribuintes destacam-se o bancário e o de construção, que somaram mais R$ 6 milhões ao montante.

Gustavo Bonfiglioli ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2010 | 00h00

Empresas como Cosan (uma das maiores produtoras mundiais de cana-de-açúcar), Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Suzano Papel e Celulose, Klabin e Bunge, entre outras relacionadas a atividades poluentes, financiaram 12,5% dos R$ 24,1 milhões arrecadados para a campanha da candidata verde.

Marina teve grande parte de sua agenda política pautada pela causa ambiental. Defendeu a criação de uma agência nacional para prevenção de desastres ambientais e o veto às mudanças no Código Florestal que favoreceriam desmatadores, entre outras propostas.

De acordo com sua assessoria, o principal motivo das doações desse tipo de empresa é o modelo vigente de financiamento de campanhas, que obriga os candidatos a arrecadarem em curto prazo. "Só temos três meses para arrecadar os fundos de campanha. Não dá para pedir atestado de 100% de excelência", explica o assessor Nilson de Oliveira. "Não foi firmado nenhum tipo compromisso com as empresas financiadoras".

Segundo ele, os únicos critérios de exclusão se estenderam às empresas de fumo e de armamento. "As condições não permitem criar muitas outras barreiras." Ainda de acordo com Oliveira, as doações de pessoas físicas pela internet chegaram a R$ 169,2 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.