Marina rejeita convite para entrar no PMDB

Ex-senadora deixará PV e pode criar nova sigla

Christiane Samarco / BRASÍLIA e Daiene Cardoso / AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2011 | 00h00

O PMDB ouviu um primeiro não de Marina Silva. Informado de que a ex-presidenciável do PV vai deixar a legenda nos próximos dias, o presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), antecipou-se ontem, convidando-a para ingressar no partido. Os dois se falaram por telefone por volta das 10 horas da manhã, quando Marina agradeceu o convite de forma delicada, mas direta. "Para ser bem sincero, ela não deixou espaço para uma nova conversa", confidenciou Raupp a um aliado.

Raupp estava disposto a levantar a bandeira do "PMDB Verde", acompanhando a ex-presidenciável em viagens Brasil afora, para que os dois fizessem juntos a defesa do desmatamento zero. Para atrair a ex-senadora, o presidente do PMDB também pensava em garantir-lhe a legenda, caso ela quisesse disputar o governo do Acre ou uma vaga no Senado em 2014. No telefonema, contudo, nem houve tempo para estender o assunto.

Raupp admite que Marina não lhe deu nenhuma esperança de que possa mudar de ideia, mas ainda assim propôs que os dois tomem um café, no dia em que ela estiver de volta a Brasília. Ela viajou ontem para a Alemanha, onde deverá manter contato com representantes de partidos verdes europeus.

A volta de Marina Silva ao Brasil está prevista para a próxima quarta-feira e o anúncio oficial de sua saída do PV está programado para ocorrer logo em seguida, na quinta ou sexta-feira.

Nova legenda. Na conversa com Raupp, Marina confirmou que está de saída do PV, mas deixou claro que não aceitaria ingressar em nenhuma outra sigla que não fosse na linha do PV que ela sempre sonhou.

Ao comunicar a companheiros de partido sua decisão de deixar o PV, ela falou do projeto de articular a criação de uma nova legenda, a partir de 2013. Até lá, Marina deverá se abrigar em um movimento que já tem até nome: Verdes e Cidadania. Esta frente deverá agregar a maior parte do grupo que se filiou com ela ao PV em agosto de 2009, incluindo aí o empresário Guilherme Leal, seu candidato a vice-presidente na chapa do PV, nas eleições gerais do ano passado.

Apoio. A vereadora de Maceió Heloísa Helena (PSOL), que disputou a Presidência em 2006, se dispôs a ajudar Marina Silva em seu novo projeto político fora do PV. Pela amizade de longa data - as duas foram contemporâneas no Senado -, Heloísa Helena chegou a se indispor com o PSOL em 2010 por defender o apoio do partido à candidatura presidencial de Marina. Embora não confirme a intenção de deixar o PSOL, Heloísa deixa claro que quer estar próxima da antiga companheira do PT.

"Caso ela resolva criar um movimento nacional que possa, ou não, culminar com a construção de um novo partido - e se ela quiser ou precisar da minha ajuda ou mesmo de militantes de qualquer partido ou sem partidos -, entendo que é legítimo que possamos democraticamente ajudá-la", admitiu a vereadora.

"Certamente a Heloísa poderia dar uma grande contribuição neste processo", disse João Paulo Capobianco, que foi coordenador da campanha de Marina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.