Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Marinha faz operação com navios de guerra e lancha blindada no Salgueiro e na Guanabara

Pelo menos uma pessoa morreu em confronto com os militares na entrada da comunidade, segundo o porta-voz do Comando Militar do Leste, coronel Carlos Cinelli

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2018 | 11h08

RIO - Pelo menos dois navios de guerra e uma lancha blindada da Marinha estão sendo usados em uma ação do Comando Conjunto no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, e na Baía de Guanabara.  Pelo menos uma pessoa morreu em confronto com os militares na entrada da comunidade, segundo informou há pouco o porta-voz do Comando Militar do Leste (CML), coronel Carlos Cinelli.

O Comando Conjunto realiza cerco terrestre, estabilização dinâmica da área e remoção de barricadas. Os militares conduzem revistas de pessoas e de veículos, checam antecedentes criminais e verificam denúncias de atividades criminosas. Para tanto, o Comando Conjunto emprega 2.520 militares das Forças Armadas, com o apoio de meios blindados e aeronaves.

No mesmo contexto, a Marinha do Brasil, com o apoio da Polícia Federal, realiza bloqueio e cerco naval na área marítima vizinha àquela onde ocorrem as ações terrestres, com ênfase na repressão a ilícitos na Baía de Guanabara. Para isso, emprega uma Força-Tarefa Marítima composta por 300 militares, 12 agentes da Polícia Federal, 2 navios e 10 embarcações, sendo 1 lancha blindada.

Algumas vias e acessos na região poderão ser interditados e setores do espaço aéreo poderão ser controlados, oportunamente, com restrições dinâmicas para aeronaves civis. Não há interferência nas operações dos aeroportos.

No total estima-se que as ações impactem positivamente cerca de 1 milhão de pessoas, direta e indiretamente, abrangendo uma área terrestre de 32 km² e uma superfície marítima de 61km².

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.