Marinho acredita em crime político

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Luis Marinho, acredita que o seqüestro e a morte do prefeito de Santo André Celso Daniel (PT) estão relacionados a política. "Foi um crime político e foi um crime que teve a ver com a escalada da violência, com o narcotráfico e crime organizado. Os governos do PT vêm incomodando os criminosos e na visão deles o partido pode vir a prejudicar seus interesses." A ex-prefeita de Santos, Telma de Souza, também não descartou a possibilidade de a morte ter tido motivação política. "O PT passou a ser alvo de ameaças e violência porque surgiu como uma alternativa de poder", declarou.O deputado petista Luizinho, que tem sua base política concentrada na região do ABC, é outro que relacionou o assassinato de Celso Daniel a investidas contra o Partido dos Trabalhadores. "Provavelmente foi um ato político, uma agressão direcionada e premeditada. Estamos indignados." Perguntado se passou a utilizar colete a prova de bala depois da morte brutal de Celso Daniel, o prefeito de Ribeirão Preto, Antônio Palocci, não confirmou a informação, mas admitiu que tomou medidas para proteger sua vida. Também abordado pela imprensa, o líder sindicalista Vicentinho classificou o prefeito morto de "estadista" e disse que Celso Daniel assumiria uma posição estratégica no governo caso assistisse à vitória do PT nas eleições presidenciais.Até as 3h30, 5 mil pessoas já passaram pelo velório, de acordo com estimativa da Polícia Militar. Espera-se um volume maior de pessoas a partir das 7h30 de hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.