Marrey diz que Estado que não segura bandido está falido

O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Luiz Antonio Guimarães Marrey, durante o seminário sobre crime organizado, da Escola Superior do Ministério Público de São Paulo, que terminou nesta quinta-feira, disse que "o Estado que não tiver condição de segurar um bandido como Fernandinho Beira-Mar é um Estado falido."Ele afirmou que "cabe a cada Estado cuidar de seus criminosos" e admitiu que o sistema carcerário paulista, principalmente Presidente Bernardes, é capaz de "reter" qualquer bandido.Marrey declarou que se Fernandinho Beira-Mar continuasse no presídio do interior do Estado não haveria problemas, porque São Paulo se preparou para enfrentar todo tipo de criminoso, seja ele do crime organizado ou não.Para ele, os juízes Antonio José Machado Dias, de São Paulo, e Alexandre Martins de Castro Filho, do Espírito Santo, foram assassinados pelo crime organizado e afirmou que o Ministério Público de São Paulo está preparado para combater os criminosos que se organizaram no Estado. "Somos pioneiros na formação de grupo de combate ao crime organizado."Segundo o procurador, em 2001 São Paulo sofreu com os bandidos que praticaram atentados à bomba contra prédios dos Fóruns Criminais e deixaram bombas em carros. "Os autores foram identificados e estão respondendo a processos."Marrey quer punição "firme" para bandidos. "O Estado democrático não pode ter medo em punir bandidos. Tem de se armar dentro da Constituição e aplicar a lei." Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.