Marta classifica protestos de "selvageria"

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), classificou como "selvageria e atividade política" as manifestações contra ela na manhã de hoje durante vista à Cidade Tiradentes, na zona Leste da capital. "Sinto muito que tenham agido desse jeito. Foi feito um acordo bom e isso é jogada política", afirmou, acrescentando que o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de São Paulo está indo além da conta. Durante inauguração da nova subprefeitura de Cidade Tiradentes, Marta foi cercada xingada, e apesar do reforço da segurança, os manifestantes atiraram objetos em direção à prefeita. Marta, porém, garantiu que não foi atingida.A prefeita disse que o sindicato não tinha necessidade de colocar entre 40 e 50 pessoas no local, xingando, gritando e jogando pedra. "Se eles acham que isso vai nos dissuadir e deixar de fazer o que tem de ser feito, estão enganados. Nósnão vamos ceder", garantiu. Marta afirmou também que já está na hora de o sindicato "parar de fazer jogo contra o trabalhador e ser parceiro." Marta lembrou que foi feito um acordo entre a prefeitura, a Transurb (sindicato patronal) e o sindicato para que parte dos motoristas e cobradores demitidos por conta do descredenciamento de nove empresas do serviço de transporte de São Paulo fosse admitidos nas novas empresas. "A prefeitura, apesar de não ser responsável, é solidária. Nós estamos fazendo pressão junto as novas empresas para que haja a contratação", esclareceu. Segundo ela, porém, a demanda por vagas é de 7,2 mil pessoas e que contratações deste volume não podem ser feitas em uma semana.Na avaliação da prefeita, o sindicato deu mostras de que não protege o trabalhador. "Se tivesse junto (com os trabalhadores), teriam providenciado que os trabalhadores tivessem seus direitos pagos na hora certa, o que não ocorreunos últimos dez anos", afirmou. Marta reiterou que não são atitudes como a de hoje que vão dar rapidez ao processo. "O que vai dar rapidez é sentar, colaborar. A prefeitura fez o que pode e com muito êxito", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.