Marta comemora assinatura de contrato com empresários

Feliz com o acordo conseguido com empresários de transporte, a prefeita Marta Suplicy colocou nesta quarta-feira sobre os ombros da Força Sindical e do PSDB a responsabilidade por um semestre pouco tranqüilo no que se refere às questões de transporte urbano em São Paulo."Eles têm influência no Sindicato e vivem fazendo força para que aconteçam greves no setor. O trabalhador sabe que não é hora de greve porque a Prefeitura paga em dia", afirmou a prefeita na Tribuna de Honra do Pacaembu, pouco antes do início da decisão da Libertadores da América, entre São Caetano e Olimpia.Marta considerou uma vitória da cidade o fato de todos os 42 empresários do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo de São Paulo (Transurb) terem assinado o acordo proposto pela Prefeitura e que era motivo de uma verdadeira queda-de-braço nos últimos dias."Eles pereceberam que nós estávamos firmes na nossa decisão e que não cederíamos à pressões. Por isso assinaram", afirmou, antes de assumir um tom mais conciliador. "Nossa briga não é com ninguém em especial. É pela melhoria da cidade. Por isso, digo que não foi uma vitória minha, foi uma vitória da cidade de São Paulo."A partir de agora, os empresários vão receber 70% pelo número de passageiros transportados e 30% pelos custos do sistema. Atualmente, a proporção é quase inversa, com 35% pelo transporte de passageiros e 65% pelos custos do sistema.A prefeita pediu também que a população de São Paulo, principalmente os habitantes da periferia, se organizasse melhor para aumentar o nível de cobrança sobre os empresários de ônibus abrigados na Transurb. "Quanto mais cobrança houver, maior será a responsabilidade sobre os empresários e a possibilidade de que eles ofereçam um melhor serviço."Marta falou também sobre a importância dos Jogos Sul-Americanos que se iniciam nesta quinta-feira. "Estamos colocando São Paulo como um centro muito importante na realização de eventos comerciais e queremos fazer o mesmo na área de esportes. Há muito a cidade não era sede de uma competição importante (a última foram os Jogos Pan-Americanos em 1963) e queremos muito mais. Vamos nos candidatar à sede das Olimpíadas de 2012, mas sei que para isso é preciso antes melhorar a infra-estrutura da cidade. Vamos construir mais centros esportivos e a própria melhoria do trânsito vai ajudar nisso. Cidade com trânsito ruim leva desvantagem na hora da escolha."Marta só demostrou um pouco menos de confiança ao dar um palpite sobre o resultado do jogo. "Vamos ver, vamos ver. Quatro a dois para o Azulão. Você acha muito, acha exagerado?"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.