Marta compara corrupção a ferida infectada

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), disse hoje pela manhã que depende de denúncias como a publicada hoje no jornal O Estado de S. Paulo sobre a venda de esqueletos humanos por funcionários de cemitérios municipais para poder flagrar e destituir os servidores corruptos. "A corrupção é como uma ferida infectada. Ela existe e tem de fazer esforços para extingui-la", afirmou a prefeita.Pela denúncia feita à Ouvidoria Municipal, os coveiros Antônio Florêncio dos Santos e Adolfo Manoel Ferreira, que trabalhavam no Cemitério de Vila Formosa, na zona leste de São Paulo, foram presos em flagrante tentando vender um crânio a R$ 150,00. "Precisamos de denúncias como essa feita pelo O Estado de S. Paulo para pegar esses servidores em flagrante e destituí-los", afirmou Marta.

Agencia Estado,

02 de agosto de 2001 | 12h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.