Marta consegue apoio de franceses e canadenses

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), anunciou hoje que duas empresas, uma francesa e outra canadense, vão contribuir para o Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fumcad). O anúncio foi feito pela prefeita depois de um almoço promovido em conjunto com a Câmara de Comércio França-Brasil em São Paulo, que contou com a participação de empresários dos dois países.As empresas Accord, uma rede de hotéis francesa, e a Moore, canadense, que faz formulários, vão contribuir com 1% do imposto de renda devido para o fundo. A Accord também vai ajudar fazendo refeições coletivas para a população carente."Foi um almoço muito simpático, em que estavam presentes 200 empresários franceses sediados no Brasil. A França é o quarto investidor no País", destacou ela. Marta confirmou sua viagem para a França, depois do carnaval. Ela foi convidada pelo governo francês. Na viagem, ela pretende formalizar parcerias técnicas e de treinamento de pessoal para as áreas de saúde, habitação e educação, e atrair empresas do país para investirem em São Paulo. "A França tem um sistema de avaliação de aluno que interessaria muito para a gente", exemplificou. Outro projeto que deverá ter a contribuição técnica dos franceses é o da implantação de 41 distritos de saúde em São Paulo. Ela também quer visitar alguma empresa francesa que tenha adotado o programa Primeiro Emprego, que na França é um projeto nacional e que inspirou a formulação do programa feito por ela para a Capital. Também está previsto um almoço com a associação dos empresários franceses durante a viagem.Sobre as críticas que fez em seu discurso no almoço sobre a questão do embargo canadense à carne brasileira, e sobre a participação do Brasil na Área de Livre Comércio das Américas (Alca), Marta explicou que São Paulo, a maior cidade da América Latina, não pode ficar à margem dessas discussões, sem ter uma posição sobre os assuntos nacionais e internacionais. "A cidade estava omissa sobre esses temas", disse ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.