Marta culpa FHC por violência em SP

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), disse hoje que o alto de índice de violência e desemprego em São Paulo são conseqüências da política econômica desenvolvida pelo governo federal. "Hoje a cidade tem esse índice de violência e desemprego não por causa da política desenvolvida pela cidade de São Paulo, mas sim em conseqüência da política econômica do governo federal", disse. "Eu acho que o governo federal tem, sim, responsabilidade na política social da cidade, pois a dificuldade que a cidade enfrenta vem da supervalorização cambial e da alta taxa de juros, que ocasionaram enorme desemprego na nossa cidade." Durante entrevista coletiva nesta tarde, a prefeita exaltou-se ao comentar a declaração do presidente Fernando Henrique Cardoso feita no domingo durante o programa "São Paulo, Século 21", exibido pela TV Globo.O presidente recomendou que Marta parasse com "choradeira" e disse que ela não poderia "jogar a culpa em terceiros por causa dos problemas que o município enfrenta". Fernando Henrique afirmou também que a prefeita deveria evitar realizar grandes obras, e se concentrar nas questões sociais. "Em nenhum minuto na campanha foi proposto fazer grandes obras. Aliás, as grandes obras em São Paulo deveriam ser executadas pelo Estado e pelo governo Federal, que têm construído e investido pouquíssimo no Estado e na cidade de São Paulo", afirmou a prefeita. Marta garantiu que as grandes obras na cidade não são obras que poderão vir a ser executadas pelo governo municipal. "O município nem arrecada suficiente para dar conta de 1,3 milhão de crianças, saúde, pavimentação e todas as atribuições que tem hoje." A prefeita afirmou que a cidade de São Paulo não está "pedindo esmola". Ela acrescentou: "Ninguém está pedindo para a União pagar promessas de campanha feita por outras pessoas, pois nem os cinco dedos (principais bandeiras da campanha do tucano) da primeira gestão do presidente ele pagou." Marta disse, ainda, que Fernando Henrique "talvez tenha sido infeliz" em suas declarações. "Talvez ele tenha sido infeliz, já que se a gente vive essa situação muito tem a ver com a política econômica do governo. São Paulo não está pedindo esmola e paga uma enormidade de impostos e tem esse direito de receber."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.