Marta descarta reajuste nas tarifas de ônibus

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), descartou a hipótese de aumento na tarifa de ônibus para equilibrar os gastos da Prefeitura com o transporte público. "Não estamos pensando nisso", afirmou. Marta confirmou que a Prefeitura terá de conceder subsídios às empresas, para evitar o colapso no sistema de transporte.A prefeita defende investimentos públicos que tornem o ônibus um meio atrativo para a população, como faixas exclusivas nas principais avenidas, linhas expressas e a construção de novos corredores. "A Prefeitura pode tomar algumas medidas para aumentar o número de pessoas interessadas em utilizar o ônibus", disse Marta, lembrando que, nos últimos anos tem havido uma migração acentuada da população para outros meios, como as lotações e carros particulares. "A decadência da frota e a falta de investimento em corredores fizeram com que as pessoas tomassem outras medidas como um segundo carro e as peruas."Marta admitiu que o subsídio de R$ 6 milhões oferecido pelo governo não será suficiente para as empresas equilibrarem os custos de manutenção da frota nas ruas. Os empresários do setor defendiam R$ 35 milhões. "Eles (os donos das empresas) não vão ter muita folga nos gastos, mas vão ter de cooperar com a cidade, como todos estão colaborando", esquivou-se.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.