Marta diz que vai até o fim com licitação de ônibus

A prefeita Marta Suplicy (PT) classificou parte dos empresários de ônibus da cidade como um "câncer" e disse que eles estão tentando chantagear a Prefeitura ao ameaçar não participar da licitação para o novo sistema de transporte, caso o edital não mude."Esse é o canto do cisne, a última tentativa dos empresários para tentar impedir a licitação. Eles podem ter certeza de que iremos até o fim", afirmou nesta quiinta-feira, em sua primeira entrevista desde que chegou de Paris, onde passou férias.Prefeita diz que tem ´plano B´Marta acusou novamente o sindicato dos condutores de agir sob o comando dos empresários do Transurb, o sindicato patronal. "Os patrões atrasam o salário de propósito, para o sindicato fingir que está protegendo o trabalhador."De acordo com a prefeita, a administração tem um plano B, para o caso de as empresas não participarem da licitação. Ela não quis detalhar quais seriam as medidas adotadas, mas, em entrevista à Rádio Eldorado, o secretário dos Transportes, Jilmar Tatto, falou sobre algumas possibilidades.Tatto: "Ultimato de Pavani é blefe""Se o edital pede que a empresa tenha 800 ônibus para participar da licitação, podemos dividir esse número em várias viações, para permitir que empresas de fora se integrem", explicou Tatto.O secretário desdenhou a ameaça dos empresários de não participar da concorrência do novo sistema de transporte. Para ele, o ultimato do presidente do Transurb, Sérgio Pavani, que pediu a alteração do edital de licitação, não passa de um "blefe". "Não acredito nessa possibilidade, mas vamos esperar para ver se eles realmente vão levar adiante a ameaça."Tatto disse não acreditar também no prejuízo mensal de R$ 35 milhões alegado pela direção do Transurb. "Se isso fosse verdade, não teríamos nenhuma empresa de ônibus atuando em São Paulo há muito tempo, enquanto sempre são elas que pedem um novo contrato de emergência", ironizou.Na opinião do secretário, há realmente problemas de ordem estrutural que serão enfrentados pela proposta do novo sistema. "O que existe são linhas sobrepostas, empresas disputando passageiros entre si e com os perueiros e uma grande falta de planejamento, além de 6% de evasão, o que equivale a R$ 30 milhões por mês."Nenhum representante do Transurb e do sindicato dos condutores foi encontrado nesta quinta-feira para comentar o assunto.Marta acha críticas injustas A prefeita disse considerar "injustas" as críticas às suas férias em Paris, enquanto a cidade enfrentava chuvas e uma greve geral de ônibus. "O vice-prefeito, Hélio Bicudo, se comportou muito bem, assim como o secretário Jilmar Tatto. Se eu tivesse permanecido aqui, as pessoas iriam criticar de qualquer forma."Com relação ao fato de ter pedido a revisão do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de sua mãe, a prefeita disse que a revisão é um direito de qualquer munícipe. "Minha mãe achou que o valor venal do imóvel estava acima do que imaginou. A Prefeitura é idônea, tanto que o pedido de revisão não foi aceito", justificou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.