Marta espera governo federal para aplicar plano de racionamento

O plano de contingência para reduzir o consumo de energia, divulgado hoje pela prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), depende do governo federal para que tenha resultado. Entre as medidas está a solicitação, na Eletrobrás, da troca de lâmpadas de iluminação pública para lâmpadas de sódio, como prevê o projeto Reluz, financiado com recursos federais.Segundo ela, a troca resultará em uma economia de gasto de 30%. "Além de trazer uma economia de cerca de 30%, as lâmpadas de sódio iluminam mais, também cerca de 30%", disse a prefeita. Sem a troca de lâmpadas pela Eletrobrás, a Prefeitura reconhece que dificilmente atingirá a economia de 35% na iluminação pública imposta pelo governo federal."Vamos exigir que a Eletropaulo não interrompa a energia em bairros periféricos onde a carência e o índice de violência são grandes", disse ela, acrescentando que também vai pedir que a região central, as áreas onde há hospitais e a avenida Paulista sejam poupadas do racionamento que começa a partir de 1º de junho.Em relação aos espaços públicos, Marta informou que a prefeitura vai apagar uma a cada três lâmpadas dos túneis, assim como reduzir a iluminação de pontes e desligar a iluminação externa de edifícios e monumentos.As lâmpadas dos semáforos também vão ser substituídas por lâmpadas LED, o que, segundo ela, também vai trazer economia. "Vamos utilizar o mapeamento dos semáforos de cruzamentos cruciais para acordar previamente com a concessionária os horários em que seriam atingidos e preparar e equipar guardas para dirigir o trânsito nesses pontos", disse. Para isso, adiantou, vai pedir que os semáforos dos chamados pontos críticos sejam poupados e, caso isso não seja possível, a solução a ser tomada e o reforço do policiamento nos cruzamentos mais movimentados, retirando Guardas Municipais do policiamento escolar e os remanejando para a orientação no trânsito. "Vamos ter de fazer uma parceria com a Polícia Militar para ver a questão do policiamento", afirmou.A prefeita disse ainda que vai sugerir que letreiros, vitrines e interiores de lojas não permaneçam iluminados após o encerramento do expediente.Marta disse ainda que vai solicitar que os shoppings centers e supermercados apresentem à Prefeitura, dentro de uma semana, propostas alternativas. "Hipóteses de fechamento em horário antecipado ou do fechamento de um dia da semana devem ser estudados."Para a população, Marta disse que vai distribuir cartilhas com orientações para economia de energia. "Mesmo a população economizando, dificilmente vai haver 20% de redução de energia", disse ela, referindo-se ao índice que pretende ser atingido pelo governo federal.Marta voltou a criticar o presidente Fernando Henrique Cardoso, dizendo que a "impresidência, a incompetência e a irresponsabilidade do governo federal são responsáveis pela crise energética do País e que trará prejuízos para São Paulo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.