Marta lança plano de recuperação do centro

A prefeita Marta Suplicy (PT) lançou hoje seu projeto de revitalização do centro de São Paulo. O piloto do programa Reconstruir o Centro começa a ser implantado no próximo dia 5 no quadrilátero compreendido entre as ruas Sete de Abril e Conselheiro Crispiniano e as avenidas São João e Ipiranga, onde serão testadas e colocadas em práticas as ações da administração paulistana para recuperar a área central do município."Pela primeira vez se pensa no centro como um todo. O objetivo é realizar o plano em quatro anos e transformar o centro no cartão de visitas da cidade", afirmou. "O desafio é imenso", admitiu ela. Um dos principais problemas que a prefeita deverá enfrentar durante o processo de recuperação da região central é a presença dos camelôs. Mas Marta garantiu que será "dura" com os ambulantes e não irá permitir que eles atuem em locais proibidos pela Prefeitura.As principais medidas do projeto "Reconstruir o Centro" são o reordenamento do transporte público, a organização do comércio ambulante, incentivo à habitação, geração de empregos, limpeza pública, atendimento aos moradores de rua e remodelação da iluminação pública e calçadas.Segundo dados da administração paulistana, 400 mil pessoas moram e cerca de 2 milhões circulam diariamente pela região central. O centro de São Paulo é responsável pela geração de 600 mil empregos (um em cada três em serviços e um em cada cinco no comércio).Dos 8 mil moradores de rua da cidade, pelo menos 5 mil vivem no centro, segundo dados da Prefeitura. Os números da gestão petista revelam ainda que 54% dos imóveis ocupados na área são alugados, sendo que a média da cidade é de 29%.Até a criação das subprefeituras, a execução do plano de recuperação do centro ficará a cargo da Administração Regional da Sé e do Procentro, com a participação direta das secretarias da Habitação e do Planejamento.A administradora regional da Sé, Clara Ant, afirmou que "em três meses de implantação do projeto piloto já vai dar para ver a diferença no centro".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.