Marta pede R$ 77 milhões para controle de enchente

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), recorreu a um deputado tucano para conseguir mais verbas para a capital, dentro do Orçamento da União para o próximo ano. Ela pediu ao coordenador da bancada paulista no Orçamento de 2002, deputado Paulo Kobayashi (PSDB), a inclusão de emendas no valor de R$ 77 milhões para aplicar no programa de controle a enchentes, mais precisamente nas obras da bacia do córrego Pirajussara. Na primeira rodada de negociações, Kabayashi obteve R$ 30,3 milhões. A prefeita fez um novo pedido de R$ 15 milhões, mas o relator-geral do Orçamento, Sampaio Dória (PSDB-SP), concedeu apenas R$ 6,3 milhões. É grande a pressão de parlamentares de outros Estados contra o atendimento de verbas para São Paulo e sua capital. Eles alegam que o Orçamento deveria priorizar Estados e cidades que não têm arrecadação suficiente para se manterem. O deputado petista João Cóser (ES) disse que fez o que pôde para assegurar os recursos solicitados, tanto por Marta Suplicy, como pelos demais prefeitos do partido. Segundo ele, a prefeita deixou clara a aplicação que pretende dar ao dinheiro na visita que fez há poucos dias à Comissão Mista de Orçamento. Na exposição de motivos, o pedido de destaque para a prefeitura é justificada pela necessidade de conter "as inundações que anualmente atingem a cidade". "O programa de obras de contenção contempla várias obras de dimensão, cuja relevância é inquestionável", destaca.Alckmin perdeu verba dada como certa Na batalha do Orçamento, a situação do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), também não é fácil. No final da tarde de hoje, ele perdeu R$ 10 milhões tidos como certos pelo deputado Paulo Kobayashi. O relator Sampaio Dória reduziu R$ 5 milhões dos R$ 35,1 milhões canalizados para o programa de controle de enchentes. O relator também retirou outros R$ 5 milhões dos projetos de construção, reforma e aparelhamento de penitenciárias. Para desenvolver esses projetos, o governo paulista receberá apenas R$ 40 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.