Marta pede "sensibilidade" ao defender taxa de iluminação

A prefeita Marta Suplicy (PT) pediu "sensibilidade" ao Judiciário e afirmou que a suspensão da cobrança da taxa de luz pode comprometer o programa de modernização e ampliação da rede de iluminação elétrica da cidade. O programa, orçado em R$ 48 milhões, depende dos recursos da Contribuição Sobre Iluminação Pública (Cosip), cuja cobrança foi suspensa pela Justiça na semana passada."Espero que o poder Judiciário tenha a sensibilidade de perceber que a cidade está com o orçamento todo comprometido e conta com a taxa para executar o trabalho", afirmou Marta, durante a apresentação do programa.O novo programa de iluminação foi anunciado pela prefeita e o vice-presidente da Eletropaulo, Cyro Boccuzzi. A proposta da Prefeitura é instalar 40 mil novos pontos de luz em um ano, que é o déficit de iluminação na cidade estimado pelo Departamento de Iluminação Pública (Ilume). Além disso, nos próximos 90 dias 20 mil lâmpadas instaladas nas principais avenidas da cidade serão substituídas de vapor de mercúrio para sódio, consideradas mais econômicas e com maior potência de iluminação. A troca das lâmpadas não depende dos recursos da Cosip, e sim de uma parceria entre a Prefeitura e a Eletropaulo, que prevê um investimento de R$ 10 milhões - dos quais R$ 8 milhões serão custeados pela empresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.