Marta quer criar mais 1.024 cargos de confiança

A reforma administrativa proposta pela prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), prevê a criação de 1.024 cargos de confiança, que causarão um impacto de R$ 19,8 milhões por ano na folha de pagamento da Prefeitura. Anteontem, a prefeita enviou à Câmara os projetos de lei para as mudanças, que incluem a criação de três novas secretarias e da Ouvidoria-Geral do Município. Os dados foram levantados pelo vereador Roberto Tripoli (PSDB), a partir dos projetos enviados ao Legislativo. Nas tabelas apresentadas há o número de cargos de confiança que serão extintos e outros que serão criados. A reforma também atingirá centenas de cargos estáveis. Nesse caso, serão extintos 943 e criados apenas 74. Grande parte desses postos atualmente está vaga. Os novos cargos serão distribuídos entre todas as secretarias, que passarão por mudanças administrativas. Do total, 885 deles serão distribuídos para as secretarias já existentes. Outros 139 atenderão às secretarias que serão criadas: Desenvolvimento do Trabalho e Solidariedade, Relações Internacionais, Comunicação e Informação Social e a Ouvidoria. Cargos extintos A maior beneficiada será a de Implementação das Subprefeituras, que ganhará 367 funcionários em cargos de confiança. Em seguida, será a de Serviços e Obras, com 70 novos funcionários. Nos dois casos, serão extintos vários cargos estáveis. Nos projetos, publicados ontem no Diário Oficial, a prefeita descreve as alterações em todos os órgãos, que inclui ainda criação e extinção de departamentos. Na Secretaria da Cultura, por exemplo, foram criados três departamentos, um deles para cuidar do Teatro Municipal. O gabinete do secretário das Finanças passará a contar com várias assessorias, entre elas uma para controlar a Dívida Pública. Segundo Tripoli, o impacto financeiro será ainda maior, já que os números calculados referem-se apenas a despesas com salários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.