Marta quer processar vereador por "denúncias falsas"

A prefeita Marta Suplicy (PT) disse hoje que vai processar o vereador Gilberto Natalini (PSDB) pelas acusações feitas ontem sobre possível superfaturamento na compra de kits de uniformes escolares. "Ele (Natalini) é um delinqüente. Nunca vi uma pessoa gostar tanto de fazer denúncias falsas como ele. Vou processá-lo. Será a primeira coisa que farei amanhã."O vereador disse sexta-feira que pretende pedir abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as licitações e contratos de compra dos kits de material escolar pelo Município. Segundo ele, as notas das mercadorias apresentadas às escolas, no ato da entrega do material, mostram que o governo pagou pelos kits preços mais altos que os cobrados por escolas particulares.Em nota divulgada hoje, Natalini respondeu à prefeita: "Se há delinqüência nesse processo, cabe ao povo de São Paulo julgar entre um vereador que cumpre seu papel e uma administração envolvida em acusações e irregularidades dos mais variados tipos."O vereador afirmou que fez a denúncia com base em documentos oficiais da Prefeitura. Na nota de distribuição de materiais encaminhada às escolas, as camisetas custavam R$ 17,00 e os conjuntos, R$ 35,99. "Ao receber a nota tomei o cuidado de pesquisar o preço do mesmo produto oferecido por diversas escolas e no comércio varejista da capital", disse.A Secretaria Municipal da Educação de São Paulo informou hoje estar munida de documentos que comprovariam que não houve superfaturamento na compra de uniformes escolares, mas sim um erro de digitação. Em comunicado, Natalini afirma que, além do erro na nota fiscal, a qualidade do material distribuído é duvidosa, destacando ainda a "descompensação emocional" da prefeita.Telecentros - A prefeita participou hoje da inauguração de mais dois telecentros na cidade, em Pirituba e no Butantã, ambos na zona oeste. Com isso, a cidade passa a ter 40 unidades de telecentro. Mas Marta prometeu que, até o fim de março, serão 107 unidades. O investimento será de R$ 2 milhões.Em relação à visita a Brasília, na sexta-feira, disse que a conversa com os ministros foi positiva. O objetivo foi apressar a liberação do dinheiro do BNDES, que já estava previsto. Já a verba para o combate às enchentes, segundo Marta, precisa sair logo, pois a Prefeitura não pode prosseguir as obras sem o dinheiro. "Gastamos R$ 90 milhões que não tínhamos e esse dinheiro não saiu. Não podemos gastar mais."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.