Marta sugere manifestação para cassar senadores

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), sugeriu hoje uma manifestação popular defendendo a cassação dos senadores Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto arruda (sem partido-DF). "A manifestação deve ocorrer, tanto hoje no ato realizado pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), quanto em outros que acontecem no País", disse. "Acho que a indignação está presente nas pessoas. A opinião pública não vai admitir que não ocorra a cassação desses mandatos", acrescentou.Segundo a prefeita, o Senado é um local onde deve-se "passar creolina". Marta disse ainda que ficou "constrangida" com o apoio que ACM recebeu ontem na Bahia de artistas como Gal Costa e da escritora Zélia Gattai. "Fiquei constrangida, principalmente por notar que algumas figuras públicas não tem às vezes a dimensão da sua própria importância. Essas pessoas não perceberam que são muito queridas. O gesto delas causaram um determinado impacto e o que elas estão apoiando é muito além da esquina que elas vêem", comentou.As declarações de Marta foram feitas hoje durante a Festa do Trabalho da Ação Brasileira de Conscientização e Cidadania (Abracci) e da Sociedade Amigos de Ermelino Matarazzo, na zona Leste de São Paulo.A prefeita criticou ainda as apresentações de música e dança feitas pelos moradores do bairro, classificando-as como "muito simples". Segundo ela, o Estado e municípios têm de estar mais presentes nesses locais. "Não compete a mim dizer o que o Estado deve ou não fazer, mas achei a apresentação muito simples, sem trabalho de professores, sem investimento do poder público", disse.Marta prometeu que no próximo ano irá novamente ao evento e que espera ver uma "festa na qual as crianças tenham condições de se aprimorar. Vamos trabalhar para melhorar isso", afirmou. "Não gostei muito da apresentação. Achei meio revoltante ver um palanque cheio de políticos vendo esse desprezo pela juventude no desfile." Marta disse também que não se assustou com o fato de o palanque, onde estavam várias pessoas entre políticos e organizadores do evento, ter ameaçado cair. "Eu só percebi depois que acabou, não me assustou muito, não", comentou. No local, ninguém se feriu e os participantes foram transferidos para outro palanque.De acordo com os organizadores da Abracci, cerca de 20 mil pessoas participaram das comemorações do Dia do Trabalho que começou as 6h com desfile de grupos de dança, entre outros, e deve terminar por volta das 14h. À tarde, a festa continua com shows musicais de grupos do bairro.O secretário de Transportes, Walter Barelli, que participou do evento representando o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, em resposta à prefeita que criticou o desfile feito pela comunidade, disse que o Estado apenas dá subsídios para que o povo manifeste a sua cultura a seu modo. "Nós não temos a intenção de corromper nenhuma sociedade", disse". "Isso é muito bonito. Foi feito com a simplicidade do povo e não precisa de oficialismo", acrescentou.O secretário comentou que a prefeita não viu toda a festa, e sim uma única apresentação. "Ela viu a apresentação de um grupo de jovens e achou que viu tudo. Eu vou convidá-la para a festa do ano que vem para que ela assista do começo ao fim", finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.