Marta Suplicy cria nova secretaria

Três dias após ter convidado o vereador Carlos Neder (PT) para assumir a Secretaria Municipal do Abastecimento (Semab), a prefeita Marta Suplicy (PT) anunciou hoje uma nova alteração na estrutura administrativa do governo: a criação de uma nova secretaria, chamada de Secretaria de Projetos Especiais e Abastecimento, que encampará as funções da Semab. A mudança foi anunciada oficialmente por volta das 18 horas. A nova pasta será comandada pelo atual secretário de Comunicação Social, Valdemir Garreta. Para o seu lugar, foi convocado o atual secretário do Abastecimento, o jornalista José Américo Dias. No comunicado distribuído à imprensa, a prefeita informou que Garreta, além de cuidar das atividades relacionadas ao Abastecimento, deverá acompanhar os projetos prioritários do governo municipal./Segundo apurou o Estado, a função de Garreta será acompanhar e dar opiniões nos projetos considerados prioritários para a Prefeitura, em todos os setores do governo. O objetivo, segundo assessores da prefeita, será dar mais agilidade a programas que estão sendo executados em todas as áreas, desde transporte à educação, passando pelos programas sociais e obras. "Caso algum programa não esteja andando na velocidade pretendida pelo governo, sofrerá interferência direta dele", explicou um assessor. A mudança ocorreu na mesma semana em que Marta convidou Neder para assumir a Semab. Caso ele aceitasse, a estrutura seria diferente e a prefeita iria criar uma secretaria extraordinária para cuidar apenas dos projetos especiais.O vereador afirmou hoje que não aceitou o convite por causa de sua candidatura à deputado estadual. A decisão foi comunicada pessoalmente à prefeita. "Eu disse que me sentia honrado com o convite, mas, em função da minha pré-candidatura, achava difícil assumir a secretaria", disse Neder.Mais mudançasNa entrevista, o vereador antecipou que haveria outras mudanças no Executivo. Segundo ele, na reunião Marta afirmou que haveria outras alterações importantes, agora e depois das eleições. Neder afirmou ainda que colocou seu nome à disposição para uma nova conversa no próximo ano e que, se não fosse a candidatura, aceitaria o convite. De acordo com o parlamentar, o objetivo da prefeita ao convidá-lo para o Executivo foi aproximar-se de parte da bancada do PT que tem uma postura mais independente na Câmara. Desde o início do governo, a bancada está dividida em dois grupos Um deles, comandado pelo líder do governo na Câmara, José Mentor (PT), e pelo líder da bancada, Arselino Tatto, é mais fiel ao Palácio das Indústrias. Outra parte dos petistas, que inclui Neder e o presidente da Câmara, José Eduardo Cardozo, assumiu desde o ano passado uma postura mais crítica em relação às ações do Executivo.Segundo Neder, o convite da prefeita não foi uma forma de "lotear" o governo para conquistar mais apoio na Câmara, até porque a bancada petista sempre votou unida nos projetos do Executivo. A única exceção foi o vereador Carlos Giannazi (suspenso do PT) que votou contra o governo nos projetos que alteraram os gastos em educação."Ela quis abrir um canal de comunicação e aumentar a participação da bancada no governo de forma unida", disse Neder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.