Marta vai acabar com o Casa

A Prefeitura de São Paulo irá extingüir o Centro de Apoio Social e Atendimento (Casa). A determinação partiu da prefeita Marta Suplicy (PT), por causa das denúncias de corrupção envolvendo o órgão, na gestão do ex-prefeito Celso Pitta (PTN).Desde o início do governo, o Casa, responsável por grande parte das ações sociais promovidas pelo Município, está sendo conduzido por um presidente interino. Tradicionalmente presidido pelas primeiras-damas do Município, o Casa foi alvo de investigações do Ministério Público Estadual (MPE) e da Polícia Civil, no governo anterior por causa de denúncias de corrupção.Na ocasião, o órgão era presidido pela esposa do ex-prefeito Celso Pitta (PTN), Nicéa Pitta, uma das protagonistas da série de irregularidades administrativas investigadas na gestão Pitta. Entre as denúncias que envolviam o Casa, a principal era o desvio da verba que os empresários pagavam ao órgão, para terem o direito de instalar placas de publicidade na cidade. Parte do dinheiro desse mecanismo, conhecido como "selo do Casa", pode ter sido desviado dos cofres públicos. O fechamento do Casa será conduzido por um conselho de quatro pessoas recrutadas na sociedade civil. Entre as pessoas escolhidas pela prefeita está sua prima, Helena Maria Matarazzo Suplicy.Segundo o secretário de Comunicação Social, Valdemir Garreta, a nomeação não pode ser caracterizada como nepotismo, pois a função não é remunerada. "O governo precisava nomear quatro pessoas de confiança, sem as quais a condução do processo de fechamento do Casa não poderia prosseguir", disse Garreta, que não soube dar maiores informações sobre a medida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.