Marta vê erro em atuação da polícia na greve de ônibus

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, não quis comentar a declaração do secretário de Segurança Pública, Saulo de Abreu Castro Filho, que afirmou que Marta foi infeliz ao criticar a ação da polícia durante a greve de ônibus que paralisou a cidade na segunda-feira e nesta terça.Marta ressaltou que já falou o que tinha de falar sobre o assunto. "Eu não estou querendo confusão, mas acho que, quando se tem 187 ônibus queimados, depredados, alguma coisa está errada", disse a prefeita.Ela afirmou que a cidade está livre "da banda podre" do transporte público, depois do afastamento de nove empresas de ônibus que não prestam mais serviços para a Prefeitura. "É o fim da chantagem ao poder público, e quem ficar no sistema de transporte terá de se enquadrar", disse a prefeita. Nesta quarta-feira, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) determinou que o passivo das empresas fique com a Prefeitura. Segundo Marta, a Prefeitura busca agora a melhor alternativa para que os demitidos do setor conquistem novos postos de trabalho.A prefeita disse que a administração está viabilizando um cadastro para que os demitidos que tenham filhos de até 16 anos possam vir a ser beneficiados com o programa renda mínima, que complementa a renda de famílias carentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.