Marta visita cemitério em campanha contra a dengue

A prefeita Marta Suplicy esteve hoje,no Cemitério Campo Grande, na zona sul de São Paulo, pararealizar uma ação simbólica de combate à dengue, dentro daoperação que está sendo feita nos 22 cemitérios municipais.Segundo o superintendente do Serviço Funerário, Valdir Barbosade Freitas, 1.500 servidores já estão participando dos mutirõesnos cemitérios. "Vamos conseguir vencer a luta contra omosquito", garantiu Freitas. Marta colocou areia em um vaso de flores para mostrarcomo as pessoas devem proceder também nas suas casas. Ela estavaacompanhada do secretário da Saúde, Eduardo Jorgee do deputadofederal José Genoíno. Eduardo Jorge reclamou que nos cemitérios da Consolação,Sabará e Vila Mariana famílias tradicionais se recusam a colocarareia nos vasos, comprometendo o combate ao Aedes aegypti,mosquito transmissor da dengue. Por outro lado, elogiou osmoradores da periferia que estão levando a sério e colaborandomais do que a classe média. "São Paulo é uma cidade mundial e estamos resistindo",disse Jorge, enquanto explicava que a capital ficou sete mesessem notificar focos do mosquito. "O trabalho sério e de formaintegrada pode bloquear a doença", explicou. "Se o trabalhofor interrompido, pode levar no mínimo dez anos para que adoença seja erradicada." De lá, a comitiva seguiu para a Favela Capela do Socorro onde a prefeita visitou três casas e o córrego da Favela 20.Marta conheceu a sede do Projeto Sol, um centro de convivênciade jovens, e de lá seguiu pelas ruas cumprimentando e orientandoos moradores sobre a prevenção contra a doença. Funcionários da Secretaria Municipal de Saúdedistribuíram cartilhas sobre a dengue. "Se cuida um dia eesquece no outro, ele volta", alertou Jorge. A prefeita deixoua favela dizendo que estava contente com a colaboração dapopulação. "Se continuar assim, não vamos ter epidemia igual àdo Rio", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.