Marte ataca

Eis então que, depois de escarafunchar o céu com telescópios, auscultá-lo com antenas parabólicas e mandar sondas e robôs para tudo quanto é lado, surge o primeiro sinal consistente de que há vida fora da Terra: encontraram pum em Marte. Muito pum. Dezenove mil toneladas, segundo anunciou Michael Mumma, cientista da Nasa, em 15 de janeiro, e se publicou neste jornal, no dia seguinte. (Claro que, por serem o Estadão e a agência espacial americana duas instituições muito sérias, o termo pum não foi utilizado, mas seu nome de salão, metano, o que é mais elegante, embora o cheiro seja exatamente o mesmo). A questão que agora fazem os astrônomos e boa parte da comunidade científica mundial é aquela sempre suscitada quando esse tipo de gás aparece por aí: quem foi?Aqui em nosso planeta, 90% de todo o pum (ou metano, se a senhora preferir) é produzido por seres vivos. Os 10% restantes surgem de reações químicas entre rochas e a água e há também pequena parcela de culpa atribuída aos catalisadores. Como o metano de origem geológica é mais raro e nem os mais otimistas ufólogos acreditam que marcianos produzam discos voadores com catalisador, a maior possibilidade é que haja no fundo do planeta vermelho micro-organismos chamados Archaea metanogênicas. Esses bichinhos infelizes, a quem Deus ou a seleção natural não proveram de olhos para ver o céu estrelado, de ouvidos para escutar o farfalhar das folhas ao vento ou mãos para fazer cafuné, passam a vida enfiados na Terra, no estômago das vacas e no sistema digestivo de outros animais, transformando hidrogênio e gás carbônico em metano. É só o que fazem - e não reclamam, pois tampouco têm boca ou sistema nervoso central. Os cientistas descobriram que havia todo esse gás em Marte ao analisar a luz que, refletida no planeta vermelho, nos chega à Terra. Não sei exatamente como funciona, mas parece que alguma coisa acontece quando os raios solares atravessam 19 mil toneladas de metano; eles chegam aqui de um jeito que basta os físicos baterem o olho para saber que tipo de atmosfera os pobrezinhos cruzaram.Para descobrir mesmo se tem vida enterrada em Marte ou se são apenas rochas e água causando toda essa confusão é preciso mandar uma nave tripulada ou um robô. Alguém que desça do módulo espacial, bata o pé e grite: quem foi?! Enquanto isso não acontece - astronautas ameaçam greve ou exigem pelo menos um extra por insalubridade -, já tem gente aqui na Terra sugerindo mudar o apelido de Marte de Planeta Vermelho para Planeta Amarelo, embora os cientistas achem que ainda é cedo para qualquer ação desse tipo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.