Matão seria "cidade dormitório" do PCC

As polícias Civil e Militar de Matão, na região de Araraquara, estão desconfiadas que o município estaria servindo de cidade dormitório para ex-presidiários e até integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Agentes penitenciários do presídio de Araraquara já perceberam que alguns presos, ao ganharem a liberdade, estão se mudando para Matão, mesmo não tendo familiares na cidade. A presença da facção já vem sendo percebida pelos policiais da cidade. Há 20 dias, panfletos assinados pelo PCC pretendiam esclarecer o motivo dos ataques ocorridos no Estado. Na opinião de policiais, simpatizantes da facção estariam dando essa "assistência" com a promessa de quitarem dívidas com a quadrilha. Além disso, essas pessoas também seriam responsáveis pelo comércio de drogas e até de ter participado de ataques ocorridos na cidade em maio. Há 40 dias, dois moradores de Matão foram presos após serem flagrados arremessando drogas e celulares por cima da muralha da Penitenciária de Araraquara. Na ocasião, eles admitiram estar devendo R$ 9 mil à quadrilha.As polícias de Araraquara e Matão não mantêm qualquer investigação direcionada ao PCC. Para investigadores, além de ter infra-estrutura e menos policiamento, o fato de Matão ser uma cidade próxima da penitenciária facilitaria a reunião de ex-presidiários e integrantes da facção criminosa sem levantar suspeita. A polícia da região acredita que um traficante de 25 anos estaria articulando o crime organizado em Matão. Em Araraquara, policiais e agentes contam que a presença do crime organizado estaria ligada diretamente à Penitenciária. De lá, sairiam ordens para venda de drogas, assaltos e até assassinatos. Mas com os problemas enfrentados no presídio depois das rebeliões, muitos "pilotos" - como são chamados os chefes de determinada unidade - foram transferidos e o comando está enfraquecido. O major João Batista de Camargo Junior, subcomandante do 13o Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I) de Araraquara, diz não acreditar em uma grande articulação da facção em Araraquara e Matão, mas reconhece não ter muitos dados sobre o caso. O delegado Seccional assistente Luis Antônio Rodrigues, desconhece a presença da facção em Matão. Para ele, a inexistência de investigações sobre o PCC na região se justifica porque todo o trabalho é coordenado pelo Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic),em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.