Matou a ex-namorada e foi morto pela polícia

Edson Pereira Maia, de 26 anos, que nesta quarta-feira matou com quatro tiros sua ex-namorada Cristiane Salgado dos Santos, de 21 anos, na Favela da Rocinha, em São Conrado, zona sul da cidade, foi morto horas depois pela polícia, em Copacabana, em frente ao hotel Méridien, com um tiro na boca e outro no tórax. O confronto aconteceu às 7h30, e o autor dos disparos foi o sargento Robson Crusoé, do 19º Batalhão da PM. Até o meio-dia, o corpo do criminoso permanecia na calçada, atraindo um grande número de curiosos, entre eles vários turistas.Familiares de Cristiane disseram à polícia que Maia vinha fazendo ameaças desde o Natal, quando foi expulso da casa da família, na Favela da Rocinha. No último domingo, ele telefonou e disse que mataria Cristiane e o pai dela, o pedreiro Milton Servínio dos Santos, de 41 anos. Há três semanas o assassino tentou atropelar Santos. Cristiane, de 21 anos, e Maia conheceram-se em novembro de 1999, quando ela trabalhava na Companhia Estadual de Habitação (Cehab), no centro. O namoro durou quase um ano, e ele não aceitou o fim da relação. Durante algum tempo, o assassino, que estava desempregado, morou na casa da família da moça.Uma amiga, que não quis se identificar, disse que Cristiane não se sentia segura para andar sozinha.Ela tinha dado queixa à polícia três vezes contra Maia e feito exames de corpo de delito. A madrasta da vítima, que também não se identificou, contou que o assassino já havia tentado enforcar a moça com um cinto e queimado a mão da namorada com uma faca aquecida no fogão, entre outras agressões. "Ele sempre dizia que ia fazer isso", disse a amiga.Nesta quarta-feira, Cristiane saía para o trabalho, em um supermercado no Leblon, zona sul, quando encontrou o ex-namorado. Tentou voltar, mas foi alcançada e morta a tiros, com um revólver calibre 32, na Via Ápia, na Rocinha, São Conrado.O assassino, que vestia jaleco de rodoviário e portava um crachá da Viação Caravele - falso, segundo a polícia -, entrou em um ônibus sem pagar.Testemunhas alertaram o soldado Rodrigues, que fica em uma cabine na entrada da favela. Quando percebeu a aproximação do policial militar, Maia saltou do ônibus e roubou o Audi do engenheiro Christiano Pazzini Coprossi de Oliveira, de 25 anos, e fugiu em direção à Copacabana. O PM o seguiu na garupa da motocicleta de um guarda municipal.Através do rádio, o comando do 19º Batalhão da PM tomou conhecimento da ocorrência e montou um cerco para deter Maia na Rua Princesa Isabel, em frente ao Méridien. Ao se deparar com os policiais, o assassino deu marcha à ré e tentou escapar pela Avenida Atlântica. Segundo o relato do sargento Crusoé, o criminoso atirou contra a PM, sendo morto em seguida. O enterro de Cristiane deve acontecer hoje, no Cemitério São João Batista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.