Matou ex-namorada e simulou seqüestro

O que poderia ser um seqüestro teve um desfecho trágico em Araraquara, na região de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, entre a tarde e a noite desta segunda-feira. Adriano Meneses Leal, de 22 anos, foi preso em Matão, à noite, e confessou ter assassinato, a golpes de faca no pescoço, a ex-namorada Márcia Regina da Silva, de 24 anos.O crime ocorreu, inclusive, antes de ele fazer o primeiro pedido de resgate. Ele está detido na Cadeia de Araraquara e vai responder inquérito por tentativa de extorsão, latrocínio e ocultação de cadáver - se a necropsia confirmar possível estupro, as acusações devem aumentar.A polícia ainda procura a faca, jogada no mato. Márcia saiu de casa, às 11 horas desta segunda, após receber um telefonema, em sua moto CG vermelha, para encontrar o ex-namorado. Uma hora depois, sua família recebeu outro telefonema, pedindo resgate de cerca de R$ 30 mil, ou Márcia e sua filha, de 7 anos, seriam mortas.Foram três telefonemas de orelhões diferentes, mas, no último, uma vizinha e amiga de Márcia atendeu e reconheceu a voz, perguntando se era o Adriano. Ele desligou o aparelho do orelhão e não mais voltou a fazer ligações. Numa das ligações, Leal havia dito que, para provar que Márcia estava viva, a moto fora abandonada numa praça do Jardim Faveral.A moto foi encontrada, suja de terra e com a chave no contato. A polícia foi avisada, e o delegado Jesus Nazaré Romão, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), foi à casa da atual namorada de Leal. Lá, ficou sabendo que Leal deixou roupas sujas de sangue, alegando que se envolvera em luta corporal e se ferido ao sofrer tentativa de assalto.Porém, uma blusa feminina, reconhecida pela mãe de Márcia, estava entre as peças de roupa. A namorada disse que Leal estaria na casa de um tio, em Matão. Leal foi encontrado e confessou o crime, levando os policiais ao Sítio Monjolinho, na estrada que liga Araraquara ao distrito de Bueno de Andrada. O corpo de Márcia estava parcialmente enterrado, coberto de folhas de mato e jornal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.